quarta-feira, 27 de agosto de 2014



O Correio dos Açores, Alice Moderno e os ouriços-cacheiros

Quem viaja pelas estradas da ilha de São Miguel não raras as vezes encontra ouriços-cacheiros que foram atropelados pelos veículos motorizados. Nalguns casos, involuntariamente e noutros por pura maldade humana.
Sabe-se que nos Açores existe apenas um mamífero endémico, o morcego (Nyctalus azoreum), tendo os restantes sido introduzidos intencionalmente ou não pelo homem. No caso do ouriço-cacheiro, segundo o jornal Correio dos Açores de 21 de Julho de 1939, a sua introdução na ilha de São Miguel foi voluntária, a sua disseminação pela ilha é que não, pois apesar de “inofensivos e tímidos, pouco dados a afoutezas românticas” aquela só aconteceu depois de “meia dúzia” deles se terem escapado “do Relvão há cerca de 15 anos”, portanto por volta de 1914.
Se hoje há um profundo desrespeito pelos animais, o que não é de admirar já que nem os humanos se respeitam entre si, os ouriços-cacheiros nunca tiveram uma vida fácil nesta ilha do Arcanjo. Com efeito, as tolices que sobre ele ainda hoje se dizem, como por exemplo que trepam às laranjeiras para comer as laranjas, levaram que alguns agricultores os perseguissem e a rapaziada sempre que apanhava um dava-lhe morte certa.
A situação atual não é muito diferente da vivida há 75 anos, como se pode depreender deste extrato publicado no jornal mencionado: “ Nesta mansa e santa terra, onde os animais ferozes e de rapina se limitam ao bichano arisco- a que o menino puxa pela cauda- e ao milhafre – que faz uma roda por se lhe prometer uma galinha – para quem apenas está habituado a ver os representantes do grande reino animal no cinema ou nas leituras maravilhosas o aparecimento de qualquer pequeno bicharoco, de focinho desconhecido e feição estranha, é saudado com foro de sensacional ou requintes de barbaridade”.
No artigo que vimos citando e que não deixa de ser atual escrevia-se que “quási todos os micaelenses ignoram a sua existência e o benefício que representam para a agricultura” em virtude de ser “ insetívoro, pois come especialmente os bichos da terra, grilos, gafanhotos, baratas, caracóis, besouros e toda a casta de bicharada prejudicial à agricultura”.
A 18 de Outubro de 1939, o Correio dos Açores volta a abordar o assunto, mencionando que os ouriços-cacheiros continuavam “a levar uma vida amargurada” e apelava para que as pessoas deixassem “os poucos ouriços-cacheiros que se criam nos nossos campos, viver em paz, porque eles, com toda a sua fealdade e com todos os seus espinhos, na luta pela vida só nos prestam grandes serviços”.
Alice Moderno, que não se interessou apenas pelos cães, pelos gatos, pelos animais de tiro, pelos animais de produção e pelos touros e cavalos forçados a participar em espetáculos degradantes, como o eram e são as touradas, também se manifestou em defesa dos ouriços-cacheiros.
Alice Moderno, numa das suas “Notas Zoófilas”, publicadas durante vários anos no Correio dos Açores, que viu a luz do dia a 8 de Setembro de 1940, voltou a corroborar o afirmado nos textos anteriormente citados e relatou a solução que encontrou para evitar que os ouriços fossem trucidados a golpe de foice e que consistiu em fazer publicar um anúncio, no mesmo jornal, “em letras gordas”, onde mostrava o seu interesse em “ser compradora do perseguido mamífero”.
O anúncio não caiu em saco roto e pouco tempo depois apareceu-lhe em casa um indivíduo com dois ouriços-cacheiros pequenos que ela colocou no jardim da sua residência, tendo confirmado que os mesmos não comiam a fruta que ela disponibilizava mas que davam cabo das baratas que por lá apareciam.
Na nota publicada a 15 de Setembro de 1940, Alice Moderno dá conta de que três pessoas amigas estavam interessadas em possuir ouriços e se eles vinham comer à mão. A resposta foi a de que os seus dois ouriços ainda não se haviam reproduzido, que só perto da meia-noite é que subiam ao balcão para comer num prato, mas que não vinham comer à mão e que a melhor forma de os adquirir seria através da colocação de um anúncio num jornal ou importar “do continente, de onde vieram os ancestrais dos poucos que nesta ilha existem e não têm aumentado devido à guerra encarniçada que durante algum tempo lhes fizeram”.
Teófilo Braga
(Correio dos Açores, nº 30422, 27 de Agosto de 2014)

terça-feira, 19 de agosto de 2014

Férias cá dentro


Este ano, por razões várias, a que não são alheios os cortes de que foram vítimas todos os funcionários públicos, as minhas férias estão a ser gozadas na ilha de São Miguel. Assim, aproveitei a minha primeira semana para revisitar alguns lugares que normalmente só o faço quando tenho por companhia estrangeiros ou emigrantes de regresso à sua terra ou à dos seus pais.
Foi na semana passada que visitei, pela primeira vez, depois das entradas pagas, a Caldeira Velha. O local estava limpo, as edificações existentes no interior não me chocaram, apenas como nota negativa tenho o apontar o desrespeito pelas árvores que se nota através do uso de uma delas que foi escavacada para adaptá-la a um suporte de proteção.
Espero que tal ação tenha sido isolada, fruto da arte de desenrascar que por vezes impera entre a nossa gente, e não o cumprimento de uma ordem superior de quem mandou a educação ambiental às urtigas e só tem em mente o objetivo de fazer dinheiro à custa do nosso património ambiental.
Valeu a pena a luta de alguns poucos cidadãos contra as mentes tacanhas que queriam fazer do local uma mera zona balnear, em que os visitantes chegariam à água diretamente a partir das portas dos seus automóveis.
O segundo lugar de visita obrigatória é o Parque Terra Nostra, mais pelo jardim do que pela piscina.
Embora tenha reparado, os meus acompanhantes chamaram-me a atenção para o facto de poucas pessoas estarem a visitar o jardim quando comparado com o número de visitantes que chegavam para usufruir do banho na piscina.
Ainda está longe a divulgação dos nossos jardins e a aposta no turismo de jardins que já é uma realidade na ilha da Madeira.
Os responsáveis regionais e locais têm de se empenhar mais para tornar os jardins, como o Terra Nostra, o António Borges, o de Santana e o José do Canto, em polos de atração turística.
No caso das Furnas a sua autarquia, tem de repensar os apoios às festividades tradicionais, pois é uma aberração sem nexo a realização de uma tourada à corda na localidade, associada a um império do Espírito Santo. Que raio de caridade ou solidariedade é esta?
Por último, uma referência a uma visita ao mais formoso ilhéu que há nas ilhas, no dizer de Gaspar Frutuoso, o ilhéu de Vila Franca do Campo.
A primeira surpresa ocorreu ainda em terra e está relacionada com o custo das deslocações. Com efeito, dadas as dificuldades por que passam muitas pessoas, o custo de cinco euros pode ser considerado elevado de modo que, segundo um dos residentes que lá estava em trabalho, poucos vila-franquenses visitam o ilhéu.
Mas, para mim o maior espanto foi quando li que dos cinco euros, três euros e cinquenta cêntimos eram para o “Transporte”, um euro para a “Manutenção e preservação da reserva” e meio euro era para a SPEA-Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves.
Embora a SPEA, quer se concorde ou não com a sua atuação, seja uma associação nacional respeitável não percebo por que razão recebe uma parte dos proventos advindos das viagens ao ilhéu.
Se é certo que é a SPEA que mantém um projeto de recuperação do ilhéu, não será menos verdade que o projeto tem financiamento europeu e regional e portanto a sua quota-parte já devia estar incluída na rubrica “Manutenção e preservação da reserva”. Estranho ou talvez não !?
Outra surpresa foi ter observado, pela primeira vez no ilhéu, alguns exemplares de vidália, uma bonita espécie endémica dos Açores que não existia no local. Para além de antes nunca a ter observado, não há, que eu saiba, nenhum registo da sua presença nas principais publicações sobre o local, de que destaco o livro “Ecologia Costeira dos Açores”, editado em 1998, da autoria de Brian Morton, Joseph Britton e António M. Frias Martins, e “ O Anel da Princesa”, editado em 2004, de António M. Frias Martins.
Por hoje, é tudo.
Teófilo Braga
(Correio dos Açores, nº 30411, 13 de Agosto de 2014)

Ainda sobre as férias


Como estamos em Agosto, mês em que a maioria das pessoas gosta de gozar as suas férias, darei continuidade ao texto iniciado na semana passada que abordava visitas por mim efetuadas ao Parque Terra Nostra, à Caldeira Velha e ao ilhéu de Vila Franca do Campo.
O relato referente à visita ao ilhéu de Vila Franca do Campo mereceu um simpático esclarecimento por parte da SPEA- Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves que, entre outras questões, refere que as vidálias que foram lá plantadas tiveram como progenitoras duas plantas já existentes quando começou a intervenção em 2009.
A presença de vidálias no ilhéu, que nunca havia observado, foi confirmada por pessoa amiga que me enviou uma fotografia, de 2007, onde já se pode ver uma planta na época de floração. Esta constatação não deixa de suscitar a seguinte questão: estando, se não estou enganado, as mais próximas na costa do Faial da Terra, como chegaram as vidálias a Vila Franca do Campo?
Outro local por mim visitado, este mês, foi a Ferraria, local único para quem gosta de tomar o seu banho de mar.
Não me vou alongar em relatar as intervenções mal conseguidas feitas no local, pois muitas páginas de jornais têm sido ocupadas com o assunto, apenas queria lembrar que a classificação do local como área protegida surgiu na sequência de uma proposta apresentada pelos Amigos dos Açores- Associação Ecológica, em Outubro de 1988.
Aquando da apresentação da proposta, acreditava-se que “a preservação ambiental do Pico das Camarinhas e da Ponta da Ferraria em conjunto com a sua utilização racional para fins recreativos e turísticos, enquadrada pelo Farol da Ferraria e pelo Miradouro do Escalvado, poderá contribuir para a conservação da paisagem desta zona da ilha e para o desenvolvimento económico das freguesias limítrofes”.
Será que algum daqueles objetivos está a ser atingido?
Outro local que visito e onde levo sempre pessoas a visitar é a Gruta do Carvão, em Ponta Delgada, que conheço desde os primeiros anos da década de oitenta do século passado.

Hoje, parece que já ninguém duvida, a Gruta do Carvão é um caso de sucesso, quer em termos de polo turístico, quer como centro de divulgação de ciência e de educação ambiental.

Para chegar à situação atual foi percorrido um longo caminho, alguns voluntários muitas horas do seu merecido descanso despenderam, muitas barreiras e incompreensões tiveram de ser ultrapassadas, apesar de algumas promessas e projetos terem ficado por cumprir.

Não querendo perder muito tempo com as incompreensões, apenas relataria o que aconteceu quando a gruta foi afetada por obras realizadas na rua Pintor Domingos Rebelo.

Juntei algumas fotografias do seu interior de forma a mostrar as suas amplas dimensões e alguns pormenores, nomeadamente estalactites e bancadas laterais, e dirigi-me à Câmara Municipal de Ponta Delgada com o objetivo de sensibilizar o seu presidente para a necessidade de intervir o menos possível na gruta, pois a mesma apresentava um elevado potencial turístico e não só.

Não tive que esperar, não digo que fui mal recebido, mas a minha desilusão foi total. Ao ver as fotografias, o presidente apenas disse-me: “não sou coelho”. A seguir, mandou chamar o responsável pelas obras que, ao ver as fotografias, afirmou, referindo-se ao escoamento de águas das casas de banho da Escola do Carvão para a gruta, todo sorridente e pensando que tinha sido ele o responsável por uma grande ação: “Fui eu que mandei canalizar estes tubos para aí”.

Deles e de outros que nunca compreenderam a importância daquele monumento natural não guardo qualquer rancor, eram de outros tempos, tinham outros interesses, tiveram outra educação. Apenas, tenho pena de já não estarem entre nós para poderem ver, através de uma visita à gruta, como estavam enganados.
Teófilo Braga
(Correio dos Açores, 30416, 20 de Agosto de 2014, p.15)

Roteiro

segunda-feira, 11 de agosto de 2014

Notas Zoófilas

quarta-feira, 6 de agosto de 2014

Hiroshima



A PROPÓSITO DA BOMBA DE HIROSHIMA
“De todas as alterações que os homens introduziram na natureza a fissão nuclear em escala industrial é sem dúvida a mais perigosa e a mais profunda. Em consequência disso, as radiações ionizantes tornaram-se o mais sério agente de poluição do meio ambiente e a mais grave ameaça à sobrevivência do homem sobre a Terra.” Schumacher, Small is Beautiful
A 6 de Agosto de 1945, a Alemanha já estava derrotada, a Itália já se havia rendido e Hitler e Mussolini, já se encontravam no Inferno a pagar pelos seus pecados. Apenas restava o Japão que ainda resistia, mas já estava de joelhos.
Pelas 8 horas e 15 minutos do mencionado dia um avião dos Estados Unidos lançou uma “ogiva secreta de quase 20 quilos e potência equivalente a quase 20 mil toneladas de TNT”. O resultado, segundo Ireneu Gomes, foi a morte de 78 150 pessoas só no primeiro segundo após a detonação da bomba, 13 983 desaparecidos e 130 mil pessoas mortas, ao longo dos anos, vítimas da radiação.
Como se este horror fosse pouco, três dias depois outra bomba foi lançada sobre a cidade de Nagasaki, onde terão morrido cem mil pessoas.
Para alguns autores, a derrota do Japão estava assegurada pelo que o lançamento das duas bombas atómicas foi um crime contra a humanidade já que as principais vítimas foram populações indefesas e não passou de uma demonstração de força para todo o mundo e em especial para a União Soviética.
A rendição do Japão foi o fim da Segunda Guerra Mundial e o início da “guerra fria”. Começou uma corrida louca aos armamentos, desde os ditos convencionais, aos nucleares, passando pelos químicos, por parte das duas superpotências imperialistas, os Estados Unidos da América e a União Soviética.
Hoje, com a quantidade e a qualidade dos armamentos disponíveis, se algum dos conflitos regionais se transformar numa guerra mundial as consequências para a humanidade serão incalculáveis. Como muto bem escreveu Albert Einstein, que é considerado um dos pais da bomba atómica e que se terá arrependido de ter escrito uma carta, a 2 de Agosto de 1939, ao presidente dos Estados Unidos da América, Franklin Roosevelt, onde mencionava a possibilidade da criação de um novo tipo de bomba e sugeria os caminhos a serem seguidos: “Não sei que armas serão empregadas numa Terceira Guerra Mundial. Mas tenho a certeza de que, se houver uma Quarta Guerra Mundial, as armas serão paus e pedras”.
Nos Açores, os jornais referiram-se ao evento, nos dias a seguir, tendo relatado o ocorrido nas duas cidades japonesas e feito menção aos prodígios da energia nuclear.
No dia 9 de Agosto, o Correio dos Açores transcreveu uma notícia com origem em Lisboa e datada do dia anterior, intitulada: “A bomba atómica lançada sobre Hiroshima matou todos os seres vivos: homens e animais”. De acordo com a mesma notícia o “segredo do novo invento “foi levado por “uma senhora que conseguiu fugir da Alemanha para o campo aliado”.
Noutro texto, publicado no Correio dos Açores, no mesmo dia, refere-se a revolução que a descoberta da fissão nuclear trará para a humanidade. Assim, na altura, acreditava-se que a invenção poderia “fazer mover, indefinidamente, toda a espécie de veículos mecânicos, com uma quantidade diminuta de novos combustíveis, e será o fim do petróleo e de todos os seus derivados, será o fim das grandes fábricas que produzem energia” e resolveria “o problema das comunicações interplanetárias”.
No dia 16 de Agosto, o Correio dos Açores reproduz um texto publicado, em 1920, pela revista portuguesa de engenharia “Eletricidade e Mecânica”. Neste, o autor, para além de fazer uma descrição do átomo, hoje já ultrapassada, prevê a utilização da energia atómica como substituta do carvão e refere as suas possíveis utilizações.
A dado passo do texto, o autor refere que Sir Oliver Lodge, numa comunicação na Royal Society of Arts, em Londres, considerou que a energia atómica era tão “rica de aplicações” que se congratulava pelo facto do homem ainda não a saber utilizar. Segundo ele, a descoberta do modo como usar a energia atómica só devia ocorrer quando o homem tivesse “a inteligência e a moralidade necessárias para bem aplica-la, porque se esta descoberta for feita pelos maus, este planeta tornar-se-á inabitável”.
Infelizmente, a moralidade muitas vezes mete férias e a inteligência quando existe não é usada.
Teófilo Braga

(Correio dos Açores, nº 30405, 6 de Agosto de 2014)