terça-feira, 30 de dezembro de 2014

Alice Moderno, a SMPA e as touradas


Alice Moderno, a Sociedade Micaelense Protetora dos Animais e as touradas

A posição de Alice Moderno sobre as touradas é a de clara oposição às mesmas e foi manifestada publicamente por mais de uma vez, através dos seus escritos, de que são exemplos as suas Cartas das Ilhas, números XIX e XX.
Na “Cartas das Ilhas – XIX”, dedicada a Luís Leitão, publicada no jornal “A Folha”, de 8 de Março de 1912, Alice Moderno relata que contrariada foi assistir a uma tourada a convite de amigos terceirenses e confessa a sua compaixão pelo cavalo “esquelético”, um “pobre animal, ser incompleto, irmão nosso inferior” que “no fim da vida, é posto à margem e alugado a preço ínfimo, para ir servir de alvo às pontas de uma fera…”. A fera (o touro) por seu lado, “será barbaramente farpeada, até que, enfurecida, ensanguentada, ludibriada, injuriada, procurará vingar-se arremessando-se sobre o adversário que a desafia e fere”.
Na “Cartas das Ilhas – XX”, publicada no jornal “A Folha”, de 10 de Março de 1912, Alice Moderno confidencia que, para não ferir suscetibilidades, não fala no “tema perigosíssimo das toiradas”, nem comunica o que vai na sua alma aos terceirenses, que segundo ela são “ semi-espanhóis no capítulo de los toros, e não compreenderiam a minha excessiva sentimentalidade”.
No dia 23 de Abril de 1933, reuniu, na casa de Alice Moderno, a direção da Sociedade Micaelense Protetora dos Animais para “deliberar sobre assuntos urgentes”. De acordo com o jornal Correio dos Açores, do dia 25 do mesmo mês, um dos assuntos a tratar eram as touradas com touros de morte. Na ocasião foi lido um ofício da Sociedade Protetora dos Animais de Lisboa a solicitar a colaboração da SMPA no sentido de pedir ao governo para que “não permita o estabelecimento neste país dos touros de morte. Ficou acordado enviar um telegrama “ao sr. Presidente do Ministério, manifestando a S. Exa o quanto magoaria a sensibilidade dos amigos dos animais a introdução de tão bárbaro divertimento, e quão deprimente seria para a civilização portuguesa o conhecimento do mesmo perante o mundo culto”.
A este propósito, convém recordar que os touros de morte haviam sido proibidos em Portugal, por decreto datado de 14 de abril de 1928, mas continuam, ainda hoje, legalmente, em Monsaraz e em Barrancos, o que não deixa de ser absurdo.
No relato de uma visita que fez a Espanha publicado no Correio dos Açores, de 2 de Fevereiro de 1935, Alice Moderno escreve “Barcelona seria um verdadeiro Éden “ se o autocarro “não tivesse parado em frente a um enorme edifício, de construção luxuosa, cujo fim o seu aspeto logo indicava, e deve ter custado à província alguns milhões de mal empregadas pesetas”.
O edifício em causa era a Praça de Touros Monumental, onde não há touradas desde Setembro de 2011, na sequência da proibição de touradas de praça, a partir de 1 de Janeiro de 2012, na Catalunha. A outra praça de touros, a Praça de Las Arenas, existente na mesma cidade foi transformada em centro comercial.
Ao estar frente à Praça de Touros, Alice Moderno lembrou-se dos “sofrimentos inauditos” de que eram vítimas os animais e acudiram à sua mente o que escreveu o escritor Victor Hugo:
“Em todas as corridas de touros aparecem três feras, que são o touro, o toureiro e o público. O grau de brutalidade de cada um destes brutos pode calcular-se pelo seguinte:
O touro é obrigado.
O toureiro obriga-se.
O público vai por um ato espontâneo da sua soberana vontade e, ainda por cima, dá dinheiro.
Observem bem esta graduação:
O touro, provocado, defende-se.
O toureiro, fiel ao seu compromisso, toureia.
O público diverte-se.
No touro há força e instinto.
No toureiro, valor e destreza.
No público não há senão brutalidade”.
Teófilo Braga
(Correio dos Açores, nº 30522, de 31 de Dezembro de 2014)

quarta-feira, 24 de dezembro de 2014

Natal na Ribeira Seca de Vila Franca do Campo


Memórias do Natal na Ribeira Seca de Vila Franca do Campo
Durante muitos anos, na década de sessenta do século passado, a ausência de meu pai emigrado no Canadá, fez com que vivesse em casa dos meus avós, Manuel Soares e Maria dos Santos Verdadeiro, na rua do Jogo, então local da freguesia de São Miguel.
Foi na casa dos meus avós que passei muitos natais da minha infância na sua companhia, bem como na de minha mãe, irmão e tias, Zélia e Rosa.
A aproximação ao dia de Natal, que para mim era sobretudo o da receção das prendas, fazia-se sentir através da participação de minhas tias na Novena de Natal que seguia a regra, mencionada pelo Padre Ernesto Ferreira, de se realizar “de madrugada, porque está no amago da tradição que deve ser de manhã, muito cedo”.
De igual modo, a aproximação era sentida pelos preparativos que se iniciavam com o colocar de molho o trigo e a ervilhaca, a que se seguia a sua deposição em vasos que eram colocados em sítio escuro para que crescessem branquinhos.
Mais próximo do dia, a casa era enfeitada, através da colocação de ramos com laranjas ou mandarinas e funcho da Madeira nas paredes.
Outra tradição, que quase sempre marcava presença, era a do presépio que terá sido ideia, de São Francisco de Assis, concretizada pela primeira vez em 1223, na comuna italiana de Greccio. Na altura, a árvore de Natal ainda não era muito generalizada, apesar de já em 1933 o Dr. Armando Cortes Rodrigues ter escrito o seguinte: “Hoje, a febre da desnacionalização anda erguendo árvores de Natal por todos os lares e até nas próprias igrejas é bom recordar que a tradição dos presépios e das lapinhas é profundamente cristã e latina e que não há necessidade de ir copiar aos países do norte um costume que nada tem que ver com o nosso fundo tradicional”.
O presépio feito em casa da minha avó não se distinguia de muitos outros já que tinha como figuras centrais o menino Jesus e os seus pais, colocados numa cabana construída de madeira coberta com palha. No interior da mesma, também, figurava um burro e uma vaca e, sobre ela, um galo.
Como não podia deixar de ser não faltavam os três reis magos que por vezes eram seis. Com efeito, existiam três reis magos muito pequeninos e muito antigos que montavam camelos e também existiam outros três muito maiores, mais modernos, que montavam cavalos e por vezes todos figuravam no mesmo presépio. Para não haver conflitos, eram colocados em posições distintas, os primeiros, próximos da cabana, dirigiam-se para essa, os outros, mais afastados, já tinham cumprido o seu dever de visitar o menino Jesus e caminhavam em sentido contrário.
No presépio, também, figuravam muitas ovelhas e vacas, o que era obrigatório, em casa de um lavrador, uma cafua de milho e todos os figurantes de uma matança de porco, tendo este fruto dos anos e dos trambolhões as pernas partidas.
As casas mais antigas eram de papel tendo sido desenhadas, recortadas e coladas pelos meus familiares mais velhos, as mais recentes, também de papel, já tinham origem em moldes comprados numa papelaria.
Durante a época de Natal, existiam sempre disponíveis figos passados, comprados em cestinhas ou ao peso, alfarrobas, massa sovada, vinho abafado e raramente licores caseiros.
A ceia de Natal pouco diferia das refeições de outros dias festivos, existindo normalmente carne de galinha caseira e carne de vaca, esta comprada num talho do mercado de Vila Franca do Campo, aquando das festividades religiosas.
Mas, o melhor das festas, para as crianças, eram as prendas que eram deixadas, pelo São Nicolau nos sapatos que colocávamos na cozinha, debaixo da chaminé, e que eram exibidas na rua no dia seguinte. Para as raparigas eram obrigatórias as bonecas e os utensílios usados em casa, sobretudo na cozinha, para os rapazes eram as navalhinhas ou os canivetes e as “flautas” (gaitas de beiços), a maioria muito baratinhas e eram, também, os carrinhos de folheta ou de plástico.
A época natalícia terminava com o tradicional cortejo dos reis magos, manifestação genuinamente popular, com texto do poeta camponês João Jacinto Januário, sendo figurantes pequenos criadores ou tratadores de gado e trabalhadores rurais com muito pouca escolaridade, mas como muito saber e cultura.
Teófilo Braga
(Correio dos Açores, 30517, 24 de dezembro de 2014, p. 16)

segunda-feira, 22 de dezembro de 2014

Facilidades para a tortura


Nos Açores há os baldios e há as baldas

Nos Açores existem baldios onde é criado gado bovino sob duas modalidades: arrendamento ou prestação de pastoreio, pela administração.

Em qualquer dos casos está previsto um pagamento pela ocupação dos espaços, sob a forma de renda anual ou por cabeça de gado colocada nos terrenos. As receitas obtidas são “distribuídas na proporção de 50% para as respetivas autarquias e 50% para os cofres da Região, contribuindo assim para um reforço das dotações disponíveis para investimentos que possam trazer benefícios para as populações”.

Também nos Açores, mais propriamente na ilha Terceira, há as baldas que são terrenos públicos que foram cedidos gratuitamente a ganadeiros para criarem animais usados nas anacrónicas touradas.

Embora tenhamos dúvidas sobre se a criação de gado é a melhor ocupação para algumas das áreas disponibilizadas, não é aceitável que os proprietários do “gado manso” sejam obrigados a desembolsar, enquanto os donos do “gado bravo” estejam isentos de qualquer pagamento.

A não ser que as afirmações de que os touros da Terceira em contato telepático com um ou mais “cientistas” da Universidade dos Açores tenham aprendido a distinguir plantas invasores e plantas endémicas e sejam um dos principais pilares na preservação da flora açórica.

Embora ainda longe de ser provada a hipótese levantada por um dos académicos, que considera que os adeptos das touradas são mais ambientalistas, sabe-se que numa recente visita à ilha Terceira um destacado opositor à tauromaquia deslocou-se a uma das áreas na Rede Natura onde foi colocado “gado bravo” e verificou com algum espanto que um dos touros estava, qual humano, sentado e possuía entre as unhas uma chave dicotómica para identificação de espécies.

Deixando de parte a nota de humor, achamos vergonhosa a descriminação de que são vítimas alguns açorianos.
Os adeptos da tortura são os filhos, os outros são os enteados.

Algures nos Açores, 23 de Dezembro de 2014
Manuel Oliveira

quarta-feira, 17 de dezembro de 2014

Resistência


Memórias da Resistência à Ditadura Militar e ao Estado Novo

Da autoria de António Ventura, Professor Catedrático de nomeação definitiva do Departamento de História da Faculdade de Letras de Lisboa, a Câmara Municipal de Lisboa, presidida por João Soares, através do Museu da República e da Resistência editou, em 2001, o livro “Memórias da Resistência. Literatura Autobiográfica da Resistência ao Estado Novo”.

Para quem quer conhecer um pouco mais o que foi o nosso país, entre 28 de Maio de 1926 e 25 de abril de 1974, sugere-se a leitura do livro mencionado, onde o seu autor a par de apresentar uma breve biografia de alguns dos portugueses que, em condições muito difíceis, foram protagonistas do movimento de oposição à ditadura, dá a conhecer extratos de algumas das suas obras de carácter autobiográfico.
Dos resistentes ao Estado Novo mencionados neste livro dois são naturais dos Açores, Manuel Francisco Tavares Barbosa e Luís Cesariny Calafate.

Manuel Barbosa, natural de Ponta Delgada, na Ribeira Grande dirigiu durante muitos anos o Externato Ribeiragrandense, foi candidato pela oposição nas eleições de 1969 e participou no Congresso da Oposição Democrática de Aveiro, em 1973.
No livro que vimos referindo, é publicado um extrato da sua obra “Luta pela Democracia nos Açores”, onde Manuel Barbosa dá a conhecer um pouco do que foi a cooperativa livreira Sextante.

Luís Calafate, natural da Horta, na sequência da sua participação na Revolta da Sé esteve asilado na Embaixada da Venezuela, tendo depois continuado a sua luta pela democracia no exílio. Em 1975, publicou o livro “A liberdade tem um preço”, publicado na Póvoa de Varzim, em 1975.

Para além dos dois resistentes já mencionados, o livro contém “depoimentos” de vários opositores ao Estado Novo que estiveram na condição de deportados nos Açores, a maioria dos quais presos no Forte Militar de Angra do Heroísmo.

No Forte Militar, as condições onde estavam eram tão desumanas que, em Março de 1936, um grupo de “presos políticos e sociais de Angra do Heroísmo” denunciou publicamente a situação, tendo referido como exemplo o “Calejão”, antiga cavalariça que fora considerada, por veterinários, imprópria para o gado e a “Poterna”, gruta escavada na rocha e localizada a seis metros de profundidade, onde a humidade era só por si torturante.

Pelos Açores, passaram o anarco-sindicalista Acácio Tomás de Aquino, os militantes comunistas, Bento Gonçalves, José Gilberto de Oliveira, Joaquim Pires Jorge, José da Silva e Manuel da Silva, os militares Francisco Horta Catarino e João Varela Gomes, o monárquico José Hipólito Vaz Raposo e uma destacada personalidade da Primeira República, Francisco Pinto da Cunha Leal.

Acácio Tomás de Aquino, que esteve preso antes de ir para o Campo da Morte Lenta, o Tarrafal, em Cabo Verde, escreveu “O Segredo das Prisões Atlânticas”, onde relata a sua experiência de prisioneiro tanto em Angra do Heroísmo como no Tarrafal.

Bento Gonçalves, que foi Secretário-geral do PCP, entre 1929 e 1942, esteve preso no Forte Militar de Angra do Heroísmo e foi condenado pelo Tribunal Militar de Angra do Heroísmo a seis anos de desterro. Foi enviado para o Tarrafal, tendo acabado por morrer vítima de uma biliose.

Francisco Pinto da Cunha Leal, que foi presidente do Ministério (primeiro-ministro) de um dos governos da Primeira República, contestou a política colonial do Estado Novo, tendo sido preso em maio de 1930 e deportado para Ponta Delgada.

O monárquico José Hipólito Raposo foi detido e deportado para os Açores na sequência da publicação, em 1940, do seu livro “Amar e Servir”.
João Varela Gomes, militar que esteve envolvido no assalto ao Quartel de Beja, em 1962, esteve desterrado nos Açores durante seis meses.
Para quem se interessa em conhecer melhor o passado, o livro de António Ventura termina com a indicação ou sugestão de outras obras e autores que poderiam ter feito parte da coletânea que serviu de inspiração a este texto.

Teófilo Braga
(Correio dos Açores, 30511, 17 de Dezembro de 2014, p.18)

terça-feira, 9 de dezembro de 2014

O Recreio das Salas


Alice Moderno e “O Recreio das Salas”


Por iniciativa de Alice Moderno, em novembro de 1888, viu a luz do dia pela primeira vez, em Ponta Delgada, uma nova publicação intitulada “O Recreio das Salas”. Dirigida por Alice Moderno, o primeiro número anunciava como colaboradores “alguns dos principais talentos que adornam a literatura Portuguesa”. Entre eles, destacam-se os nomes de Antero de Quental, Ernesto Rebelo, Francisco Maria Supico, Júlio Pereira Carvalho e Costa, Maria Amália Vaz de Carvalho, Moniz Ferreira e Xavier da Cunha.

O jornal mensal, como Alice Moderno o intitulava, estava dividido em várias seções: a noticiosa, a científica, a histórica e biográfica, a literária, a bibliográfica e por último a charadística, enigmática e recreativa.

Segundo Alice Moderno, o jornal que pretendia ser “decente, respeitador do lar, das cans e bom conselheiro da mocidade” tinha como maior ambição instruir, moralizar e recriar.

Em todos os números do jornal, Alice Moderno contribuiu com poemas até então inéditos ou que haviam sido lidos em vários eventos, de que são exemplos “1º de Dezembro” que havia sido recitado por um aluno numa “palestra académica” que ocorreu a 1 de dezembro de 1888, “Monólogo” que foi recitado numa “festa artística” realizada no Teatro Micaelense em 19 de Janeiro de 1889 e “Um Leão Reformado”, declamado numa récita de beneficência a favor do ator Afonso dos Reis Taveira, no dia 7 de Fevereiro de 1889.

Na secção histórica ou biográfica, Alice Moderno escreveu um texto sobre a vida e a obra de Charles Darwin.

Sobre a personalidade de Darwin, autor de, entre outros, “A origem das espécies”, Alice Moderno escreveu: “Disseram de Litré que havia sido um santo secular, o mesmo podemos dizer de Darwin se considerarmos a bondade, paciência, delicadeza e probidade de que era dotado e de que deu durante a sua existência as mais constantes provas”.

Sobre o darwinismo, Alice Moderno, escreveu que se podia sintetizar no seguinte: “Todas as espécies animais e vegetais, passadas e atuais, descendem de três ou quatro tipos originais e provavelmente d’um único tipo primitivo, cujas transformações se tem ido operando sucessivamente”.

Em 1889, o jornal O Arauto, da ilha Terceira” contestou o facto de Alice Moderno ter escrito, que a matrícula de uma aluna no Liceu Nacional de Angra do Heroísmo ser “mais um passo dado a bem da instrução, do progresso e da civilização”. Numa crónica publicada no nº 3 d’ “O Recreio das Salas”, Alice Moderno responde ao autor da crítica nos seguintes termos: “não é lógico, filosófico, nem humanitário que o homem faça da instrução secundária ou mesmo superior uma propriedade exclusivamente sua”.

Na mesma crónica Alice Moderno refuta o argumento de “que a mulher não deve reinar onde estiver o homem”, com o seguinte afirmação: “Concordo em como não deve reinar! Neste caso sou apologista da república universal… não reine nem um nem outro ou antes, reine aquele, homem ou mulher, que se distinguir pela sua inteligência e pela sua erudição”.

A propósito de uma publicação intitulada “Escritoras espanholas contemporâneas” que lhe foi oferecida, Alice Moderno transcreveu, sem comentar, no jornal que vimos referindo, o prefácio. No mesmo, o autor referindo-se ao facto de uma mulher ter uma ocupação fora do lar escreve:
“Haverá algum marido, haverá filhos, que a façam esquecer os esplendores do passado pelas regalias do presente?
Existe o marido que ame a sua mulher a ponto de compensar-lhe o sacrifício, existem os filhos dignos de abnegação sublime, existe a mulher capaz de renunciar à glória entrevista, pela tranquila alegria familiar, existem cremo-lo, queremos crê-lo, mas esse marido, mas esses filhos, e sobretudo, essa esposa, essa mãe, essa mulher, essa artista, constituem uma excepção”

Vinte anos depois, em 1909, Alice Moderno, no seu jornal “A Folha” era bem clara sobre o direito da mulher ao trabalho, quando apela aos pais para que, em vez de estarem preocupados com dotes para a filha, lhe darem “educação que a habilite a bastar-se a si própria, uma profissão que a ponha ao abrigo da miséria, com todas as suas tentações, e da dependência, com todas as suas revoltantes baixezas”.

Teófilo Braga
(Correio dos Açores, nº 30505, 10 de Dezembro de 2014, p. 12)

sábado, 6 de dezembro de 2014

terça-feira, 2 de dezembro de 2014

Exames


Exames

1- Estamos mal

É verdade que todos os “rankings” valem o que valem e ainda não se percebeu bem para que servem os elaborados anualmente com os resultados dos exames nacionais.

O seu objetivo é permitir o reconhecimento do trabalho das escolas que ficam bem posicionadas e fazer o ponto da situação para quem não está bem, estimulando a trabalhar melhor com vista a superar as dificuldades ou, pelo contrário, é apenas apontar o dedo e ostracizar quem está nos últimos lugares?
O que é certo, independentemente dos critérios usados, é que as escolas dos Açores uma vez mais ficaram muito mal posicionadas, obtendo as piores médias em diversos exames nacionais da maioria dos anos de escolaridade em que esses se realizam.
A título de exemplo, apresentam-se a seguir alguns dados relativos ao sexto e ao nono ano de escolaridade.
No nono ano de escolaridade, a ilha de São Miguel apresenta quatro escolas, entre as dez piores do país, posicionando-se a Escola Básica Integrada de Rabo de Peixe em penúltimo lugar e a Escola Básica Integrada de Água de Pau em último.
No sexto ano de escolaridade, a situação é semelhante, isto é, a ilha de São Miguel volta a estar, através de duas escolas, uma delas em penúltimo lugar, entre as dez piores do país.
Os resultados dos exames, nada bons para os Açores, que se vêm repetindo, com ligeiras alterações, ano após ano mereciam uma reflexão profunda e uma ação eficaz no sentido da melhoria de uma efetiva aprendizagem dos jovens açorianos.
Do nosso ponto de vista, procurar as causas apenas na escola, que é o que se tem feito até aqui, é um erro gravíssimo, já que esta não é mais do que o reflexo da sociedade onde está inserida.
Além disso, se não se altera nada, nem na escola nem, sobretudo, na sociedade, leva-nos a pensar que há gente interessada em que a pobreza cresça e a ignorância se generalize.
2- Sempre estivemos mal?

Em 1935, o Dr. Lúcio Miranda, professor de matemática do Liceu de Ponta Delgada, num texto intitulado “Malhando em ferro frio”, publicado no Correio dos Açores, a propósito do elevado número de reprovações em alunos que foram propostos a exame, reflete sobre o assunto e apresenta algumas razões para tal. A dado passo escreve ele “àparte as causas externas” que foram apresentadas noutro texto pelo Dr. Riley da Motta, “a culpa da catástrofe é bastante nossa: dos professores, dos alunos e das famílias”.

No que diz respeito aos professores, o Dr. Lúcio Miranda defende que o professor deve abandonar “toda a atitude de exagerada benevolência”, devendo colocar “primeiro o culto intransigente do dever; depois, se for possível, a conquista da popularidade”.

O aluno, por seu turno, deve dedicar-se à escola em “full-time” e acrescenta que “Infelizmente o nosso estudante português tem um sem número de distrações alheias à vida escolar, que dispensam a sua atenção, neutralizam os efeitos do estudo e entorpecem o vigor discente”. Se era assim em 1935, o que dizer da situação atual!

Quanto aos pais, o Dr. Lúcio Miranda escreve: “Todos os dias, com regularidade e desvelo, o pai zeloso deve cuidar das obrigações do filho. A tarefa é por vezes ingrata, mas é benéfica – e toda a rotina se torna suave, se tivemos bem presente que os fartotes de ciência, em vésperas de exame ou no último ano do curso, não compensam o “deficit” de anos sucessivos de cabulice, vencidos à custa de inconfessáveis malabarismos ou da criminosa tolerância dos mestres”.

Com a degradação social que vimos assistindo, nos últimos anos, quantos pais têm condições em termos de conhecimentos, de tempo ou motivação para acompanhar os filhos?
Por que se insiste, ainda hoje, no facilitismo que é o de deixar transitar de ano um aluno com várias classificações negativas no ensino básico?
Para adiar o problema ou para adornar as estatísticas?
Teófilo Braga
(Correio dos Açores nº 30501, de 3 de Dezembro de 2014, p.14)

quarta-feira, 26 de novembro de 2014

Alice Moderno e a educação


Alice Moderno, o ensino e a Revista Pedagógica

“85% de analfabetos numa região europeia! Chega a causar vertigens e calafrios, e nada mais seria preciso para que o regímen monárquico que mantinha no trono os Braganças fosse condenado à pena última por queles que, por acaso, sabem ler”
(Alice Moderno, Revista Pedagógica, nº 199, 14 de dezembro de 1911)
De 1909 a 1915, publicou-se, em Ponta Delgada, a “Revista Pedagógica que teve como proprietária e diretora a professora primária Maria Evelina de Sousa. Como redatores principais, entre outros, destacaram-se Alice Moderno, Aires Jácome Correia (Marquês de Jácome Correia), Luís Leitão, Fontana da Silveira e Ulisses Machado.
Alice Moderno, para além de ser a colaboradora mais assídua, também dirigiu a revista na ausência de Maria Evelina de Sousa, o que terá acontecido entre os números 108 e 112, publicados em 1909.
De entre a colaboração que Alice Moderno prestou à Revista Pedagógica, destacamos, pela duração no tempo, a tradução livre da rubrica “Usos Sociais” que era da autoria da Baronesa de Savernon.
A Revista Pedagógica manteve ao longo dos anos em que foi editada um espaço dedicado à poesia, intitulado “Guarda-joias”, onde foram publicados poemas de vários autores, como Antero de Quental, Maria Veleda, Mário Pacheco e Alice Moderno.
Na rubrica referida, Alice Moderno publicou, entre outros, os seguintes poemas: “Amor Supremo”, escrito para uma récita de uma grande gala realizada no Teatro Micaelense, “A Itália Vitaliani”, “Jogos Florais”, soneto dedicado ao Marquês de Jácome Correia, e “A João Melo Abreu”, poesia que foi impressa na fita de uma coroa deposta sobre o seu ataúde.
Sobre a temática do ensino propriamente dito, Alice Moderno escreveu vários textos onde teve a oportunidade de expor o seu pensamento.
De entre eles, destacamos “Palavras de um “toast”, escrito em Angra do Heroísmo, a 22 de outubro de 1911, dedicado aos professores primários (hoje designados de professores do 1º ciclo do ensino básico).
No seu texto, Alice Moderno saúda os professores primários, dizendo que eles são “os funcionários mártires da instrução” e acrescenta, citando Renan “que o futuro intelectual do indivíduo depende principalmente de quem lhe ensina a ler” e termina afirmando que “a leitura, inteligentemente assimilada em tenros anos, pode fazer sábios, como a rotina sabe fabricar cretinos”. Alice Moderno conclui o seu curto texto, saudando “entusiasticamente os membros conscientes, independentes e dignos da classe à qual o estado menos paga e da qual mais exige…”
Outro texto que merece referência foi o publicado a 9 de dezembro de 1909, intitulado “Médicos Escolares”, onde Alice Moderno solidariza-se com a opinião de Maria Evelina de Sousa que numa reunião realizada em Ponta Delgada defendeu a necessidade de médicos escolares que deveriam visitar as escolas quinzenalmente a fim de verificar se aquelas se encontravam em boas condições de higiene “e se as crianças que as frequentavam estão em boas condições que lhes permitam matricular-se num estabelecimento de instrução, a que concorrem muitas outras que têm direito a não serem contaminadas pela doença alheia”.
Alice Moderno, para além de professora particular, foi nomeada regente da Escola Móvel de Ponta Delgada, tendo, no dia 15 de outubro de 1913, proferido a alocução inaugural.
No seu discurso Alice Moderno elogiou o regime republicano por “procurar extinguir, no feracíssimo solo lusitano, as flores nefastas da ignorância e da superstição” que infelizmente continuam a proliferar nos nossos dias.
Pelo interesse que tem para melhor conhcermos o pensamento de Alice Moderno, para terminar esta minha colaboração de hoje, abaixo apresenta-se um extrato do discurso mencionado:
“ A verdade é que somos todos iguais.
Iguais no nascimento, pelo sofrimento, e perante a morte. O que desnivela os homens é unicamente, mas cumpre dizê-lo inexoravelmente, a diferença de educações.
Instruí-vos, educai-vos, e colocar-vos-eis a par dos primeiros entre os vossos semelhantes.”
Teófilo Braga

(Correio dos Açores, nº 30495, 26 de novembro de 2014, p.15)

quarta-feira, 19 de novembro de 2014

1º de Maio


A Propósito do primeiro 1º de Maio em São Miguel
Com o objetivo de reivindicar a redução da jornada de trabalho para 8 horas de trabalho diário realizou-se, a 1 de Maio de 1886, em Chicago, nos Estados Unidos da América uma greve que contou com a participação de 350 mil trabalhadores. Na sequência de um confronto entre a polícia e os grevistas foi convocada uma manifestação para o dia 4, tendo no decorrer desta morrido um polícia, resultado de uma explosão, e sido assassinados 80 operários. Foram presos alguns dos líderes, dos quais, depois de encerrado o processo, em Outubro de 1887, quatro foram enforcados, cinco condenados à morte, três condenados a prisão perpétua e um foi morto, em circunstâncias estranhas, na prisão.
Três anos mais tarde, em 1889, em homenagem aos mortos de Chicago, a Segunda Internacional Socialista, reunida em Paris, decidiu convocar anualmente uma manifestação com o objectivo de lutar pelas 8 horas de trabalho diário.
Em Portugal, as comemorações do 1º de Maio terão começado em 1890 e até 1894 as manifestações limitaram-se às cidades do Porto e de Lisboa. Nesta cidade, o número de participantes cresceu de 3000, em 1894, para 30 000, em 1896.

Em 1897, pela primeira vez o 1º de Maio foi celebrado, na ilha de São Miguel (nos Açores?), por iniciativa de Alfredo da Câmara que perfilhava ideias socialistas e entre os seus objetivos estava a luta pelas 8 horas de trabalho, que só viriam a ser conquistadas no ano de 1919.

A 25 de Abril de 1897, o jornal “O Repórter” anuncia para o sábado seguinte, 1 de maio, a realização de uma marcha em Ponta Delgada “que percorrerá as ruas da cidade, levando à frente a filarmónica “União Fraternal”, que já aderiu a este pensamento”.

A 30 de Abril, foi publicado um suplemento d’ “O Repórter”, onde é feito um convite a “todos os artistas e operários” para participarem na marcha que, segundo os organizadores, não é mais do que uma “manifestação pacifica” que tem “unicamente por fim adherir ao grande movimento operário das 8 horas de trabalho, que se vae alastrando por todos os paizes cultos”.
No dia 1 de Maio algumas centenas de pessoas, a maioria operários, reuniram-se “num espaçoso granel na rua do Brum, cedido bizarramente pelo abastado industrial sr. José Maria Caetano de Matos”. A seguir, falaram, o organizador do evento, Alfredo da Câmara, “que pela primeira vez falou em público” e Manuel da Câmara, colaborador da “Actualidade”, que fez a apologia dos ideais socialistas.

Depois dos discursos, todos os presentes integraram uma marcha “aux flambeaux”, “abrilhantada” pela filarmónica “União Fraternal”, que percorreu as principais ruas de Ponta Delgada.

No mesmo dia saiu uma edição especial do jornal “O Repórter” que, para além de um texto da responsabilidade da redação, contou com a colaboração de Francisco Maria Supico, farmacêutico de formação e influente jornalista e político ligado ao Partido Regenerador, Read Cabral, A.S. Alvim e Victor Cabral.

No seu texto, a redação do jornal (Alfredo da Câmara?) aborda sobretudo a falta de instrução dos operários como a causa principal dos problemas que os afetam e apela a que os mesmos trabalhem “sem exaltação mas sem desânimo, pela redução das horas de trabalho” pois só assim “encontrarão tempo para o estudo”.

Francisco Maria Supico elogia os partidários do socialismo por não imporem a sua ideia pela força mas sim “exaltam-na e defendem-na no campo sereno do exame e da crítica, e nas desapaixonadas discussões scientificas, pelo seu real valor afirmado em diarias conquistas”.
Read Cabral, no seu diálogo entre um industrial e os operários da sua fábrica, defende a conciliação de interesses entre os intervenientes, terminando o texto com a seguinte frase: “mas lembrem-se rapazes, que o capital e o trabalho são factores que teem necessariamente de caminhar par-a-par”.
A.S. Alvim por seu lado, defende as oito horas de labor e faz o elogio do trabalho que segundo ele não pode ser excessivo pois “a fadiga bestifica o intelecto, achaca a matéria, e desalenta o espírito, fornecendo assim excellente repasto aos abutres da seita negra. Fugi d’isso.”
Por último, Victor Cabral, continuando a defender a necessidade da conciliação de interesses entre classes, escreve o seguinte: “Se ao patrão e ao proprietário fica a imposição de não abusar do trabalhador em seu proveito, e de rodeá-lo de condições de salubridade, ao operário cumpre o desempenho das obrigações que o seu contracto lhe estabelece”.
Teófilo de Braga
(Correio dos Açores, nº 30489, 19 de Novembro de 2014, p.15)

terça-feira, 11 de novembro de 2014

Aprendendo

Aprendendo com Alice Moderno


Muitos cidadãos, a título individual, e as associações animalistas desempenham um papel fundamental, sobretudo na recolha de animais domésticos abandonados e na procura de adotantes, na denúncia de maus tratos, na educação dos cidadãos e no salvamento de animais que são vítimas da política de abate que é prática na maioria dos canis.
Durante muitos anos, a proteção aos animais domésticos esteve, em São Miguel, a cargo da SMPA-Sociedade Micaelense Protetora dos Animais que sob a direção de Alice Moderno e a colaboração de vários zoófilos micaelenses, de que destacamos a professora Maria Evelina de Sousa, o braço direito de Alice Moderno, Alfredo da Câmara, que sempre disponibilizou o salão dos Bombeiros Voluntários de Ponta Delgada para a realização de diversas reuniões e Aires Jácome Correia (marquês de Jácome Correia) que foi presidente da Assembleia Geral, durante vários anos, e o mais generoso dos sócios contribuintes.
Apesar de grande parte da atividade da SMPA, sob a presidência de Alice Moderno, ter decorrido durante um regime não democrático, o Estado Novo, os dirigentes daquela associação tinham o cuidado de dar a conhecer publicamente as suas atividades, apelar à participação e divulgar as contas da mesma, através dos jornais.
Hoje, em regime democrático, pelo menos formalmente, com mais e melhores meios de comunicação, as associações parecem ignorar que a participação dos cidadãos seria maior se sentissem que os seus donativos estão a ser bem usados, se conhecessem melhor o que fazem as associações e que dificuldades enfrentam.
Para além do referido, parece que as associações (algumas ou a maioria?) vivem na semiclandestinidade, de tal modo que raramente ou nunca, nem mesmo a solicitação dos órgãos de soberania, emitem um parecer sobre assuntos que à defesa dos animais dizem respeito, raras vezes tomam a iniciativa de fazer denúncias publicamente, nunca (ou quase nunca) promoveram uma petição, não divulgam a composição dos seus órgãos sociais, não divulgam a realização das assembleias gerais ou não apresentam contas tal como está previsto nos estatutos de todas elas.
Outra batalha ganha pela SMPA foi a criação de um posto veterinário em Ponta Delgada que embora público funcionava com a colaboração da Sociedade Micaelense Protetora dos Animais. Hoje, apesar de uma recomendação da Assembleia Legislativa Regional e das declarações favoráveis por parte do secretário da tutela, parece que alguns interesses mais alto se levantam e nada se faz para que se concretize o sonho de Alice Moderno, isto é, que a ilha de São Miguel tenha um hospital veterinário público ou gerido em parceria ou totalmente por uma ou mais associações de proteção dos animais.
Não querendo intervir na vida interna das associações, esta devia ser uma luta contínua que devia figurar na agenda de todas elas. A concretização deste sonho, para além ser a verdadeira homenagem a Alice Moderno, poderia abrir o caminho a uma correta forma de tratar os animais, não como coisas mas como seres que sentem.
Pensamos que, muitas vezes, as pessoas que são passivas por natureza ou por deseducação, ainda se retraem mais quando se trata de defender os animais. Com efeito, para além de poderem ser alvo de chacota, muitas vezes são acusadas de darem mais valor aos animais ditos irracionais do que aos seus semelhantes.
A propósito do que está escrito no parágrafo anterior, Alice Moderno num texto publicado em 1935 cita o escritor Francis de Miomandre que escreveu: “Não há graduação na bondade. A pessoa que ama os animais não é cruel para com o seu semelhante. E, muito ao contrário, aquele que defende a sua sensibilidade contra as tentações da zoofilia, não passa de um ser egoísta e explorador da espécie humana”.
Estamos a ficar cansados de ouvir alguns (ir) responsáveis que, face às reaiis ou virtuais dificuldades por que estão a passar as instituições que gerem, lamentarem-se de não fazer nada pelos animais pois, dizem eles, primeiro estão as pessoas. Esquecem-se eles de dizer que há sempre dinheiro para aquilo que querem: para festas e roqueiras, para touradas e música pimba, para contratação de amigos ou correligionários, etc..
Por último, também fingem ignorar que, se há pessoas que estão a passar mal, tal é devido às políticas ruinosas que foram governando este país, a todos os níveis, e que eles também contribuíram para tal. Em suma eles criaram a pobreza e os pobres para agora poderem dar-lhes uma esmola, chame-se a esta rendimento social de inserção ou outra coisa qualquer.
Teófilo Braga
(Correio dos Açores nº 30484 de 12 de Novembro de 2014)

sábado, 1 de novembro de 2014

Águas-vivas


Correio dos Açores, 15 de Agosto de 1937

quarta-feira, 29 de outubro de 2014

Invasoras



A propósito de espécies invasoras

Muitos açorianos continuam alheados das questões ambientais e continuam a dar pouca ou nenhuma importância à conservação da natureza.
Estamos longe do período áureo da educação ambiental promovida pelos serviços oficiais que era implementada pela rede regional de ecotecas, geridas por associações diversas, com atividades destinadas a jovens em idade escolar e não só e que culminava com a realização anual de um Encontro Regional de Educação Ambiental.
Hoje, a educação ambiental está quase e tão só restrita ao Programa Eco-escolas que cada vez mais mobiliza menos professores e cujas atividades quando existem atraem cada vez menos alunos. Além disso, pelo menos nos casos que conheço bem, caiu-se na rotina da participação nos desafios lançados a nível nacional, como concursos de árvores de natal, e os eventuais efeitos positivos do projeto não se estendem a toda a comunidade escolar.
As autarquias pouco fazem e quando o fazem é quase apenas para cumprir calendário. A título de exemplo, menciona-se os dias sem carros, em que como alternativa aos mesmos se apresentam póneis ou trotinetes, os dias da árvore, com plantações de endémicas em cima umas das outras, ou os dias do ambiente com a construção de ninhos para aves em zonas urbanas e que, na melhor das hipóteses não servirão para nada, e. na pior, irão ser muito úteis aos pardais que não são uma espécie que merece medidas especiais de proteção, antes pelo contrário.
Mas, para além do que está escrito acima, a grande falha de toda a tentativa de educação ambiental está no ignorar que os problemas ambientais são problemas sociais e que só podem ser resolvidos se houver alterações profundas nas sociedades atuais.
Não é de agora o fenómeno das espécies invasoras, que existe desde sempre mas que ter-se-á intensificado, a partir do século XV, com os descobrimentos. No caso dos Açores, desde o seu descobrimento têm sido introduzidas, voluntariamente ou não, várias espécies que cá se têm adaptado. Algumas têm sido de grande utilidade para quem cá vive, enquanto outras, pelo contrário, tornaram-se numa das principais ameaças à conservação da flora e fauna endémicas.
Nalguns meios, mais restritos, há quem esteja à procura de responsáveis pelas espécies introduzidas que se transformaram em invasoras e o nome mais apontado tem sido o de José do Canto, que como todos sabemos terá sido o açoriano que mais espécies vegetais, oriundas de várias regiões do planeta, terá introduzido e cultivado nas suas propriedades.
Não querendo alijar responsabilidades a ninguém, considero de algum modo injusta a procura de bodes expiatórios e sem sentido o culpabilizar quem viveu noutra época, onde as preocupações eram outras e não se tinham os conhecimentos que hoje se têm. Com efeito, José do Canto, ao introduzir muitas espécies, tinha objetivos bastante definidos que estavam relacionados com o aproveitamento das mesmas para a agricultura, a horticultura, a silvicultura e a ornamentação de jardins, tornando possível uma melhoria da qualidade de vida de quem cá vivia.
Também, embora não querendo crucificar ninguém, é importante ficar registado que, depois de se ter conhecimento de que algumas introduções causam desequilíbrios nos ecossistemas, podendo levar à perda da biodiversidade e à extinção de espécies nativas, é no mínimo negligente continuar com introduções de espécies que noutras regiões têm um comportamento invasor.
A título de exemplo de introduções negligentes, recordo-me a plantação de lantana nos “socalcos” do aeroporto de Ponta Delgada, importadas do continente, quando por cá já andavam a conspurcar alguns locais da ilha de São Miguel ou a tentativa de introdução de Ipil-ipil, para a produção de biomassa para alimentar uma futura central produtora de energia elétrica, que chegamos a ver nos viveiros dos Serviços Florestais nas Furnas.
Mais recentemente, regista-se o caso da plantação de erva-confeiteira nas Portas do Mar ou do penacho ao longo das estradas. Esta última planta, apesar de muito bonita, é invasora em várias zonas do mundo e já está a mostrar os seus dotes em terrenos incultos da ilha de São Miguel, destacando-se os situados na zona do Caldeirão.
Teófilo Braga
(Correio dos Açores nº 30473, 29 de Outubro de 2014, p.10)

quarta-feira, 22 de outubro de 2014

Ferrer i Guardia


Francisco Ferrer i Guardia

Francisco Ferrer i Guàrdia (1859-1909) foi um pedagogo catalão que criou a Escola Moderna que funcionava tendo por base uma pedagogia libertária.
As ideias do anarquista Ferrer, sobretudo após a sua morte, influenciaram a abertura de outras escolas em diversos países, como a Voz do Operário, em Lisboa, e serviram de inspiração a diversos pedagogos, como o brasileiro Paulo Freire.
Num texto datado de 1 de Junho de 1907, transcrito na “Vida Nova”, revista quinzenal – órgão do Operariado Micaelense, Francisco Ferrer afirma que o sistema de ensino da Escola Moderna “combate as guerras fratricidas”, “combate a exploração do homem pelo homem, combate a relegação em que tem a mulher e combate todos os inimigos da harmonia humana como são a ignorância, a maldade, a soberba e outros vícios e defeitos que têm dividido os homens em tiranos e em tiranizados”.
Francisco Ferrer foi condenado à morte e fuzilado, a 13 de Outubro de 1909, por ter sido, injustamente, acusado de ser o instigador da revolta popular da Semana Trágica, em Barcelona.
Em todo o mundo foram inúmeras as reações à sua morte. Na ilha de São Miguel, surgiram artigos a condenar o seu fuzilamento, nos jornais “Vida Nova”, “A Folha” e “O Repórter”.
A 10 de Novembro de 1909, João Anglin, então estudante, escreveu no jornal “Vida Nova” o seguinte:
“Não foi em vão que Cristo regou com o seu sangue as urzes do Calvário, porque a sua doutrina sublime, apesar de deturpada e adulterada pelos que se dizem seus ministros, tem atravessado os séculos; não foi debalde que Giordano Bruno, Lourenço de Gusmão, Galileu e tantos outros sofreram horrorosos tormentos, porque a ciência que tanto amavam e por quem deram a vida, tem defendido radiosa Luz entre a espécie humana.
Assim também Francisco Ferrer, a infeliz vítima da malta reaccionária, dessa horda de facínoras que para vergonha nossa ainda campeia infrene, acaba de ser cobardemente assassinado em Barcelona. A reacção desde há muito tramava contra a existência desse grande vulto, desde há muito tentava perdê-lo. Buscou a ocasião propícia e achou-a.
Estão saciados os ódios, estão satisfeitas as feras!!”
Num texto não assinado publicado no Jornal A Folha nº 366, de 24 de Outubro de 1909, a dada altura o autor ou autora (Alice Moderno?) escreveu o seguinte:
“Ferrer foi um brasseur d’idées, foi um desses indivíduos excecionais que, nesta época de egoísmo, em que se entrechocam os mais sórdidos e desmedidos interesses pessoais, sacrificou toda a sua fortuna particular, toda a segurança individual, toda a sua tranquilidade espiritual, por uma ideia- combatendo por ela até ao ponto de ver correr, pelos furos das balas reais, o seu sangue generoso”.
Por último, no jornal “O Repórter”, cujo proprietário e diretor era Alfredo da Câmara, no dia 24 de Outubro de 1909, pode ler-se que “ não é impunemente que se mata ou manda matar um Ferrer, entidade de destaque no campo das lutas pelas reivindicações sociais; não é impunemente que se arremessa um cartel de desafio aos explorados, para regalo dos exploradores, aos pobres e aos humildes para tranquilidade dos argentários poderosos…”.
No dia 31 de Outubro do mesmo ano, o articulista de “O Repórter” escreveu que “a execução de Ferrer foi um assassínio monstruoso, levado a cabo pelos jesuítas e congreganistas espanhóis de cumplicidade com um governo de camândulas e de punhal”.
Teófilo Braga
(Correio dos Açores, nº 30467, 22 de Outubro de 2014)

quarta-feira, 15 de outubro de 2014

A Récita da Ribeira Seca de Vila Franca do Campo


A Récita da Ribeira Seca de Vila Franca do Campo


Desde criança ouço falar numa récita organizada na Ribeira Seca de Vila Franca do Campo que havia contado com a participação de alguns familiares meus e cuja receita reverteu para o hospital da Santa Casa da Misericórdia.
Durante vários anos tentei recolher informação das pessoas mais idosas da localidade, mas em vão porque como vim a descobrir recentemente o espetáculo de amadores havia ocorrido em 1936.
Tanto quanto nos foi possível apurar a récita esteve no palco, em Vila Franca do Campo, no Salão Orion, nos dias 12 e 13 de Abril de 1936. No dia 19 de Abril, o espetáculo terá sido apresentado, no Vale das Furnas, no Salão Furnense e em data que desconhecemos estava prevista uma atuação do Grupo, que se denominava “Os Campesinos”, no “Yo-Yo Cinema”, pertencente ao sr. Antero Batista da Câmara, onde iria apresentar novas comédias e novos números de variedades.
O programa do grupo, dirigido por José Nicolau Pacheco, era, de acordo com o jornal Correio dos Açores, de 8 de Abril de 1936, o seguinte:
1ª Parte- “O criado distraído”, comédia em um ato que contou com a participação de Manuel de Sousa, Maria do Carmo Andrade, João Verdadeiro e David de Sousa.
2ª Parte- “Os Marinheiros”, canção com letra de João Jacinto Januário e música de Manuel Pereira Salvador, interpretada por Inês Furtado acompanhada por um coro constituído por um grupo de crianças.
“Dó, ré, mi”, terceto cómico, por João Verdadeiro, Manuel de Sousa e José de Braga.
“O Terrível”, monólogo, por Virgínio Branco.
“A Sirandina”, dueto por Carmo Lopes e Maria de Deus Pacheco.
“O operário”, tango, com letra de João Jacinto Januário, música de Manuel Jacinto Arraial, interpretado por João Verdadeiro.
“O mylord”, monólogo por Fernando de Melo.
“As castanholas”, fado por Inês Furtado.
“Os pastores”, “Romanza” interpretada por Diamantina Lopes, Ermelinda Andrade, Maria José de Melo, Maria do Carmo Andrade, Maria de Deus Pacheco, Diamantina Braga, Carmo Lopes, Virgínio Branco, José Braga, João Verdadeiro, João Bento, José Lopes, Gabriel Brum e Manuel Inácio.
3ª Parte- “Doutor especialista em doenças nervosas”, comédia em um ato, interpretada por José de Braga, Maria José de Melo, Maria de Deus Pacheco, Maria do Carmo Andrade e Virgínio Branco.
Todo o espetáculo era abrilhantado pelo agrupamento musical “Santa Cecília”, da Ribeira das Tainhas dirigido pelo “distinto violinista” Manuel Jacinto Arraial e a despedida e os agradecimentos eram feitos por Mariano da Costa Bota.
Em 1936, a Ribeira Seca que era habitada maioritariamente por camponeses pobres e com baixa escolaridade era exemplo a seguir pelas iniciativas que tomava, de que se destacam a récita referida anteriormente, cujos intérpretes na sua maioria nunca haviam pisado qualquer palco e nalguns casos nunca tinham entrado num teatro. Além disso, as dificuldades por que passavam não impediam que fossem solidários, de tal modo que os proveitos obtidas com espetáculo não eram para os organizadores e para os participantes, mas sim a favor do Hospital.
A outra iniciativa digna de apreço concretizada em 1936 foi o cortejo dos Reis Magos que, de acordo com o correspondente do Correio dos Açores, em Vila Franca do Campo, “fez sair para a rua toda a população desta vila e arredores, computada em alguns milhares de pessoas, na ansia de verem desfilar a referida embaixada”.
Hoje, na Ribeira Seca de Vila Franca do Campo, reina a apatia e a mão estendida, de tal modo que parece haver alguma mobilização apenas durante a caça ao voto e as iniciativas que se fazem são quase todas suportadas por subsídios e outros apoios.
Sinais dos tempos?

Teófilo Braga
(Correio dos Açores, nº 30462, 15 de Outubro de 2014, p.9)

quarta-feira, 1 de outubro de 2014

A transição para a democracia em Vila Franca do Campo


A transição para a Democracia em Vila Franca do Campo

“Em fins de 1975 as elites de agora são as mesmas de ontem, acrescentadas de uns poucos que, hábeis, subindo a tempo, ocuparam um lugar” J. Rentes de Carvalho
Sempre com o objetivo de melhor conhecer a terra que me viu nascer, tenho pesquisado nos jornais locais, como “O Autonómico”, “A Vila” e “A Crença”, e no “Correio dos Açores”, de Ponta Delgada, tudo o que se relaciona com a vida social e política do concelho de Vila Franca do Campo, desde a implantação da República até aos nossos dias.
Tal como no resto do país, em Vila Franca do Campo, durante do Estado Novo havia uma convergência de opinião ou mesmo cumplicidade entre o governo de então e a hierarquia da Igreja católica.
Mais do que ter uma voz persistente e pública a louvar as políticas do Estado Novo, a Igreja de Vila Franca do Campo fazia o que era feito em toda a parte, isto é, calava todas as injustiças sociais criadas e mantidas pelo sistema económico vigente e que de algum modo perdura, silenciava a violência da guerra colonial para os jovens vila-franquenses e para os habitantes das chamadas colónias ou territórios ultramarinos e ignorava que direitos humanos básicos, como o direito de reunião ou a liberdade de expressar as suas opiniões, etc. eram desrespeitados.
João Miguel Almeida, no seu livro “A oposição católica ao estado novo” escreveu que, com exceção do Bispo do Porto, só com o aproximar do fim do marcelismo a hierarquia da igreja começou “a tomar as suas distâncias com vista a evitar- e evitou- o erro trágico da queda da monarquia: o de morrer abraçada aos vencidos.”
No caso de Vila Franca do Campo, a partir de 1957 passaram a existir dois semanários, “A Vila” e “A Crença”.
“A Vila”, de carácter noticioso e bairrista, que era dirigido por um dos dirigentes da União Nacional, o distinto médico Dr. Augusto Botelho Simas, encarregava-se de transmitir a ideologia do regime e de noticiar, de vez em quando, as atividades das organizações que o suportavam.
“A Crença”, fundada em 1915, dirigida pelo padre António Jacinto de Medeiros, raramente trazia um texto noticioso sobre a vida política ou qualquer referência à atividade local, limitando-se a apresentar assuntos de caracter religioso. A título de exemplo, para confirmar o referido anteriormente, faça-se uma consulta aos anos de 1973 e de 1974.
Se não me passou despercebido, o primeiro texto que A Crença publicou sobre as alterações ocorridas a 25 de Abril de 1974 foi a transcrição de uma comunicação do presidente da República General António de Spínola a que deu um curioso título: “Chegou a hora de se assumirem e de se exigirem responsabilidades, saneando por igual, o dirigente inepto ou corrupto, o funcionário venal, o trabalhador parasita e improdutivo e o político oportunista, autocrático ou demagogo”.
Depois deste texto muitos outros se seguiram com o objetivo de alertar para a incompatibilidade entre o cristianismo e o comunismo/marxismo, socorrendo-se de artigos publicados em outros meios de comunicação social que por sua vez citam bispos de outras paragens e o papa Paulo VI que curiosamente foi um papa que foi persona non grata para o regime de Salazar.
A este propósito o escritor J. Rentes de Carvalho relata a censura que sofreu um artigo publicado numa revista onde se podia ler “Paulo VI é um homem inteligente”. A censura não permitiu que a frase saísse completa, pelo que o título ficou apenas “Paulo VI é um homem”.
Excluindo algumas escaramuças ocorridas no chamado Verão Quente, quase todas da responsabilidade de gente de fora do concelho, evidentemente com cúmplices locais, alguns ligados até ao tutano à ditadura derrubada, a transição para a democracia, tal como a que temos hoje, foi pacífica, bastando para tal a conversão à partidocracia por parte de quem antes achava que bastava um só partido.
Se alguém fizer um levantamento de todas as pessoas que em Vila Franca do Campo, desde o 25 de Abril de 1974 até hoje, ocuparam cargos partidários ou que foram membros dos órgãos autárquicos, facilmente concluirá que um número significativo, pelo menos nos primeiros anos da democracia, militaram antes na União Nacional ou na Ação Nacional Popular. No caso da Câmara Municipal, pelo menos 50% dos seus presidentes foram militantes daquele partido único.
Mal não viria ao mundo se os antidemocratas de ontem reconhecessem os seus erros e tivessem vindo a público declarar que estavam equivocados ao terem sido os suportes de uma ditadura e que humildemente aceitavam viver em democracia e dar o seu contributo para que o “poder” passasse efetivamente para o povo.
Como muito bem disse um conhecido político que já devia se ter remetido ao silêncio: “só os burros é que não mudam”.
Teófilo Braga
(Correio dos Açores nº 30451, 1 de outubro de 2014, p.14)

terça-feira, 23 de setembro de 2014

As festas, os animais e o ambiente

As festas e o respeito pelos animais e pelo ambiente


A presença da cabeça de uma cabra num cortejo realizado, no passado dia 1 de setembro, no âmbito das festas em honra da padroeira da freguesia da Lomba da Maia, Nossa Senhora do Rosário, suscitou protestos diversos numa conhecida rede social por razões diversas, entre as quais se destacam, o facto da mesma poder estar relacionada com a falta de respeito pelos animais que servem de alimento e por poder constituir um mau cartaz turístico para a ilha, já que uma parte significativa de quem nos visita é sensível à causa animal.
Quando vi, pela primeira vez, a fotografia em questão, também achei que a presença da cabeça da cabra, para além de em nada contribuir para enriquecer o quadro em que estava inserida, podia dar, a quem nos visita, sobretudo aos estrangeiros, uma imagem dos micaelenses como a de um povo bárbaro.
Infelizmente, pelo que tenho visto, quer presencialmente, quer em imagens que têm chegado à minha caixa de correio, estamos muito longe de sermos um povo civilizado. Com efeito, são cavalos famintos, ou amarrados com correntes a trespassar-lhes a carne, são cães e gatos abandonados por toda a parte, com destaque nos miradouros, são os canis de abate superlotados, são os cães enforcados, etc…
Pensávamos que com o aumento da escolaridade, com a transmissão de programas nos vários canis de televisão sobre animais, com a proibição de abate de animais, sem ser nos matadouros, a situação se alterasse e as barbaridades cometidas no passado deixariam de estar presentes nos nossos dias.
Estávamos redondamente enganados. Com efeito, o aumento da escolaridade não significa aumento de conhecimentos, pois uma parte cada vez maior dos alunos nem aproveitamento consegue no ensino regular, as escolas deixaram de ser locais de transmissão de saber e passaram, para muitos alunos, a locais de entretenimento. Na televisão os programas educativos são preteridos a favor de outros de qualidade mais do que duvidosa e as leis ficam-se muitas vezes pelo papel.
Como resultado de tudo isso, nas festas ou fora destas, nem pessoas nem animais são respeitados e poucos são os que se atrevem a denunciar o que está mal com medo de represálias.
O desrespeito pelos animais, como sabemos vem de longe e, pelo que tenho lido, eram aceites com toda a naturalidade noutros tempos.
Eram nas festas do Espírito Santo que mais animais eram mais sacrificados. Abaixo, apresento um relato de como eram mortos os gueixos, em 1937, nas Furnas: “ o animal, forçado a ajoelhar, recebe entre os chifres a pontilha do improvisado magarefe e logo novo e enorme golpe entre as patas dianteiras. Enquanto garotos montam sobre is quatros da rês para precipitar a hemorragia, outros acorrem com malgas, tigelões, alguidares e marmitas ao chafariz de sangue”.
Cerca de 50 anos depois, na Ribeira Seca de Vila Franca do Campo, a situação era um pouco semelhante e o mais degradante era o facto de os animais por vezes serem abatidos por quem não tinha prática e não morrerem à primeira.
Hoje, penso que se aceita que o homem ao utilizar os animais na sua alimentação deverá “fazê-lo com gratidão e sem sadismo”.
Não vou ser exaustivo a descrever a sujidade com que os espaços são deixados após os arraiais, o que apenas vem provar que a mentalidade de atirar tudo para o chão ainda prevalece entre a maioria das pessoas.
Também não tenho dados sobre o fogo-de-artifício que é usado em cada festividade por mais pequena que seja. O que posso testemunhar é que este é atirado muitas vezes a horas impróprias para quem está a gozar o merecido repouso e que parece estar a aumentar, pelo menos o número de foguetes caídos no meu quintal este ano foi muito superior ao caído em anos anteriores.
Já agora quem tiver dados e quiser fazer contas, por cada mil foguetes de um determinado tipo lançado são espalhados pelos terrenos cerca 24 kg de plástico.
Por último, quero que fique claro que não estou a sugerir que se acabe de uma vez por todas com as roqueiras e muito menos que se crie mais uma taxa verde ou esverdeada para refrear alguns ânimos.
Teófilo Braga
(Correio dos Açores 30446, 24 de Setembro de 2014, p.14)

segunda-feira, 22 de setembro de 2014

Criticando (?)


O Mensageiro, Setembro de 1985

quarta-feira, 10 de setembro de 2014

Herbicidas


O veneno é o melhor remédio?

Um dia destes, estava a passar numa determinada localidade do concelho da Ribeira Grande e deparo-me com duas pessoas com uma máquina às costas a aplicar um herbicida sobre ervas que cresciam numa rua.
A primeira constatação foi a de que tendo ouvido falar num conjunto de regras que os agricultores têm de cumprir, quer relativamente à compra, quer à aplicação de pesticidas, parece-me que as mesmas não são exigidas aos serviços oficiais, isto é Câmaras Municipais e no caso concreto Juntas de Freguesia.
No que toca à aplicação do produto, esquecendo a preparação a que não assisti, não vi quaisquer óculos, isto é não havia proteção aos olhos, não havia qualquer proteção ao nariz e à boca, não usavam luvas e estavam a trabalhar com a roupa que usam no dia-a-dia.
Fui indagar que produto era utilizado e cheguei à conclusão que felizmente não era o que foi denunciado recentemente pela Quercus e pela Plataforma Transgénicos Fora, o qual segundo aquelas organizações possui uma substância ativa o glifosato que “atua nos animais como desregulador hormonal e cancerígeno, em doses muito baixas, que podem ser absorvidas nos alimentos e na água de consumo, supostamente “potável”. Este herbicida tem ainda uma degradação suficientemente lenta para ser arrastado (pela água da chuva, da rega ou de lavagem, em conjunto com um resíduo também tóxico resultante da sua degradação), para a água, quer a superficial (rios, ribeiros, albufeiras e lagos), quer a subterrânea.”
De qualquer modo, embora não sendo o especificamente mencionado, o produto em questão também possui na sua composição o glifosato pelo que todo o cuidado deve ser pouco com o seu ab(uso).
No comunicado referido, aquelas organizações mencionam que se dirigiram a todos os presidentes de Câmaras Municipais “alertando para os riscos ambientais e de saúde, da aplicação de herbicidas em espaços urbanos, prática generalizada por todo o país”.
Não sei se quando se referiram todo o país, incluíram as regiões autónomas, muitas vezes esquecidas. Não conheço qualquer reação por parte das Câmaras Municipais, mas acho que a carta deveria chegar diretamente aos presidentes das Juntas de Freguesia, pois são eles que estão no terreno e são eles os principais responsáveis pelo cuidado das ruas e caminhos.
Mas, se não devem ser usados herbicidas, ou pelo menos alguns, pelos impactos na saúde e no ambiente, que alternativas existem?
Neste momento em que algumas autarquias têm à sua disposição muita mão-de-obra, o uso à monda manual não é de por de parte. Contudo, para quem ache que tal é voltar ao passado, as associações referidas sugeriram o recurso a diversos métodos com destaque para os seguintes: de abafamento, com interesse para jardins, mecânicos e térmicos.
Neste texto, vamos apenas referir os dois primeiros, apresentando as suas vantagens.
Sobre o primeiro método, no documento que vimos citando, podemos ler o seguinte: “O empalhamento consiste em colocar, no local onde se pretende o controlo das plantas infestantes, resíduos vegetais como relva cortada ou simplesmente deixar no local as plantas cortadas. Tem a vantagem de manter a humidade do solo. A plantação de plantas abafantes, de preferência de espécies autóctones, por exemplo em taludes, tem a vantagem de fixarem o solo evitando assim a erosão através de ravinamento”.
Sobre os métodos mecânicos, o texto refere que têm“ já uma expressão considerável no controlo de plantas infestantes em particular nas bermas e taludes ao longo das estradas e, em nossa opinião, deveriam ser mais aplicados em espaços urbanos e outros espaços públicos, em detrimento do uso de herbicidas. Estes métodos originam a produção de grande quantidade de biomassa e, como tal, um recurso com potencial para produção de composto em unidades de pequena escala, por exemplo à escala municipal, que permitem ainda aproveitar outras fontes de matéria orgânica como resíduos verdes dos jardins públicos”.
Em síntese, há alternativas ao uso de herbicidas, falta apenas acabar com as más “tradições” e vontade política para aplicá-las.
Teófilo Braga
(Correio dos Açores nº 30434, de 10 de Setembro de 2014)

sexta-feira, 5 de setembro de 2014

A proteção dos animais em 1938


A proteção dos animais em 1938

Para a elaboração deste texto recorri apenas ao jornal Correio dos Açores que pesquisei com o objetivo de conhecer melhor o labor de Alice Moderno em defesa dos animais.
Para além de textos de temática diversa, em 1938, Alice Moderno publicou, no Correio dos Açores, onze “Notas Zoófilas”, nas quais foram abordados, entre outros, os seguintes temas: o reconhecimento a cidadãos amigos dos animais, como os senhores António de Sousa Manteiga, Manuel Albano Botelho e José Caetano de Sousa; o elogio às qualidades de cães e gatos; o tratamento de animais nos Zoos em vários países; os gatos na literatura; a assistência veterinária aos animais e outros animais de companhia.
No mês de Maio, numa pequena nota, o Correio dos Açores dá a conhecer que na montra do estabelecimento comercial do sr. Manuel Machado Botelho, secretário da Sociedade Micaelense Protetora dos Animais, encontram-se em exposição “dezenas de aguilhões, arma com que os condutores de carroças costumam estimular o zelo dos infelizes quadrúpedes que lhes granjeiam arduamente o pão nosso de cada dia, e recebem em recompensa magras rações e abundantes maus tratos”. Os mencionados aguilhões eram por ele “apreendidos aos selvagens carroceiros” durante as suas várias e contínuas digressões no campo”.
Também em Maio, o jornal divulgou um texto, possivelmente de Alice Moderno, onde é denunciado o envenenamento de um cão nas Furnas, “que foi sair a estrebuchar em frente ao Hotel Terra Nostra!”, chamando a atenção para o ato de crueldade e para “ as consequências que pode ter para o futuro turístico” de São Miguel.
No mês de Junho do ano mencionado, o senhor Martim Faria e Maia, da Lagoa, publicou “uma nota zoófila interessante”, onde relatou o caso de uma cadela sua “A Francesa” que amamentou dois gatinhos, um dos quais passou a ser “seu inseparável companheiro”.
A história da “Francesa” acaba com a sua morte por velhice e doença. Segundo Martim Faria e Maia, após o ocorrido, “o gato miou durante dias à procura da mãe adotiva e quinze dias passados morreu também.
Ainda, em Junho, o jornal divulgou que em resultado das queixas apresentadas às autoridades pela SMPA:
- um indivíduo das Calhetas que maltratou um cão foi remetido para a cadeia da Comarca da Ribeira Grande;
- havia sido preso um cidadão dos Fenai da Luz que atirou uma cabra do alto de uma rocha;
- estava a decorrer uma investigação para apurar quem, na Bretanha, havia cortado a cauda a três novilhos.
No mesmo texto é divulgada a colaboração entre o Posto Zootécnico e a SMPA – Sociedade Micaelense Protetora dos Animais. Assim, a SMPA havia fornecido ao referido posto, para tratamento de animais, vomitivos, clorofórmio e algodão.
No mês de Setembro, o jornal volta a referir-se ao assunto dos animais de tiro, vítimas das aguilhadas, elogiando o senhor José de Medeiros Mota, residente no Ramalho, que por ser “alto e de empenado, consegue submetê-los e corta-lhes a extremidade da aguilhada, que é, como quem diz, do instrumento de tortura”.
No mesmo mês, a propósito do envenenamento de peixes do tanque do Campo de São Francisco, a Sociedade Protetora dos Animais de Lisboa mandou dois ofícios, um dirigido ao Governador Civil e o outro à Presidente da Sociedade Micaelense Protetora dos Animais.
No ofício dirigido à SMPA, transcrito na íntegra pelo Correio dos Açores, a dado passo, pode ler-se:
“Há muito terreno inculto a desbravar e muita consciência a imbuir nas máximas divinas de Cristo. E é para isso que trabalhamos – nós, os zoofilistas – sem descanso sem um momento de fadiga, para que Portugal possa ser visto e encarado lá fora como Nação próspera e grandiosa sob o ponto de vista humanitário”.
O leitor faça um paralelo entre a situação atual e a de 1938 e tire a suas conclusões.
Teófilo Braga
(Correio dos Açores, nº 30428, 3 de Setembro de 2014, p.14)

quarta-feira, 27 de agosto de 2014



O Correio dos Açores, Alice Moderno e os ouriços-cacheiros

Quem viaja pelas estradas da ilha de São Miguel não raras as vezes encontra ouriços-cacheiros que foram atropelados pelos veículos motorizados. Nalguns casos, involuntariamente e noutros por pura maldade humana.
Sabe-se que nos Açores existe apenas um mamífero endémico, o morcego (Nyctalus azoreum), tendo os restantes sido introduzidos intencionalmente ou não pelo homem. No caso do ouriço-cacheiro, segundo o jornal Correio dos Açores de 21 de Julho de 1939, a sua introdução na ilha de São Miguel foi voluntária, a sua disseminação pela ilha é que não, pois apesar de “inofensivos e tímidos, pouco dados a afoutezas românticas” aquela só aconteceu depois de “meia dúzia” deles se terem escapado “do Relvão há cerca de 15 anos”, portanto por volta de 1914.
Se hoje há um profundo desrespeito pelos animais, o que não é de admirar já que nem os humanos se respeitam entre si, os ouriços-cacheiros nunca tiveram uma vida fácil nesta ilha do Arcanjo. Com efeito, as tolices que sobre ele ainda hoje se dizem, como por exemplo que trepam às laranjeiras para comer as laranjas, levaram que alguns agricultores os perseguissem e a rapaziada sempre que apanhava um dava-lhe morte certa.
A situação atual não é muito diferente da vivida há 75 anos, como se pode depreender deste extrato publicado no jornal mencionado: “ Nesta mansa e santa terra, onde os animais ferozes e de rapina se limitam ao bichano arisco- a que o menino puxa pela cauda- e ao milhafre – que faz uma roda por se lhe prometer uma galinha – para quem apenas está habituado a ver os representantes do grande reino animal no cinema ou nas leituras maravilhosas o aparecimento de qualquer pequeno bicharoco, de focinho desconhecido e feição estranha, é saudado com foro de sensacional ou requintes de barbaridade”.
No artigo que vimos citando e que não deixa de ser atual escrevia-se que “quási todos os micaelenses ignoram a sua existência e o benefício que representam para a agricultura” em virtude de ser “ insetívoro, pois come especialmente os bichos da terra, grilos, gafanhotos, baratas, caracóis, besouros e toda a casta de bicharada prejudicial à agricultura”.
A 18 de Outubro de 1939, o Correio dos Açores volta a abordar o assunto, mencionando que os ouriços-cacheiros continuavam “a levar uma vida amargurada” e apelava para que as pessoas deixassem “os poucos ouriços-cacheiros que se criam nos nossos campos, viver em paz, porque eles, com toda a sua fealdade e com todos os seus espinhos, na luta pela vida só nos prestam grandes serviços”.
Alice Moderno, que não se interessou apenas pelos cães, pelos gatos, pelos animais de tiro, pelos animais de produção e pelos touros e cavalos forçados a participar em espetáculos degradantes, como o eram e são as touradas, também se manifestou em defesa dos ouriços-cacheiros.
Alice Moderno, numa das suas “Notas Zoófilas”, publicadas durante vários anos no Correio dos Açores, que viu a luz do dia a 8 de Setembro de 1940, voltou a corroborar o afirmado nos textos anteriormente citados e relatou a solução que encontrou para evitar que os ouriços fossem trucidados a golpe de foice e que consistiu em fazer publicar um anúncio, no mesmo jornal, “em letras gordas”, onde mostrava o seu interesse em “ser compradora do perseguido mamífero”.
O anúncio não caiu em saco roto e pouco tempo depois apareceu-lhe em casa um indivíduo com dois ouriços-cacheiros pequenos que ela colocou no jardim da sua residência, tendo confirmado que os mesmos não comiam a fruta que ela disponibilizava mas que davam cabo das baratas que por lá apareciam.
Na nota publicada a 15 de Setembro de 1940, Alice Moderno dá conta de que três pessoas amigas estavam interessadas em possuir ouriços e se eles vinham comer à mão. A resposta foi a de que os seus dois ouriços ainda não se haviam reproduzido, que só perto da meia-noite é que subiam ao balcão para comer num prato, mas que não vinham comer à mão e que a melhor forma de os adquirir seria através da colocação de um anúncio num jornal ou importar “do continente, de onde vieram os ancestrais dos poucos que nesta ilha existem e não têm aumentado devido à guerra encarniçada que durante algum tempo lhes fizeram”.
Teófilo Braga
(Correio dos Açores, nº 30422, 27 de Agosto de 2014)

terça-feira, 19 de agosto de 2014

Férias cá dentro


Este ano, por razões várias, a que não são alheios os cortes de que foram vítimas todos os funcionários públicos, as minhas férias estão a ser gozadas na ilha de São Miguel. Assim, aproveitei a minha primeira semana para revisitar alguns lugares que normalmente só o faço quando tenho por companhia estrangeiros ou emigrantes de regresso à sua terra ou à dos seus pais.
Foi na semana passada que visitei, pela primeira vez, depois das entradas pagas, a Caldeira Velha. O local estava limpo, as edificações existentes no interior não me chocaram, apenas como nota negativa tenho o apontar o desrespeito pelas árvores que se nota através do uso de uma delas que foi escavacada para adaptá-la a um suporte de proteção.
Espero que tal ação tenha sido isolada, fruto da arte de desenrascar que por vezes impera entre a nossa gente, e não o cumprimento de uma ordem superior de quem mandou a educação ambiental às urtigas e só tem em mente o objetivo de fazer dinheiro à custa do nosso património ambiental.
Valeu a pena a luta de alguns poucos cidadãos contra as mentes tacanhas que queriam fazer do local uma mera zona balnear, em que os visitantes chegariam à água diretamente a partir das portas dos seus automóveis.
O segundo lugar de visita obrigatória é o Parque Terra Nostra, mais pelo jardim do que pela piscina.
Embora tenha reparado, os meus acompanhantes chamaram-me a atenção para o facto de poucas pessoas estarem a visitar o jardim quando comparado com o número de visitantes que chegavam para usufruir do banho na piscina.
Ainda está longe a divulgação dos nossos jardins e a aposta no turismo de jardins que já é uma realidade na ilha da Madeira.
Os responsáveis regionais e locais têm de se empenhar mais para tornar os jardins, como o Terra Nostra, o António Borges, o de Santana e o José do Canto, em polos de atração turística.
No caso das Furnas a sua autarquia, tem de repensar os apoios às festividades tradicionais, pois é uma aberração sem nexo a realização de uma tourada à corda na localidade, associada a um império do Espírito Santo. Que raio de caridade ou solidariedade é esta?
Por último, uma referência a uma visita ao mais formoso ilhéu que há nas ilhas, no dizer de Gaspar Frutuoso, o ilhéu de Vila Franca do Campo.
A primeira surpresa ocorreu ainda em terra e está relacionada com o custo das deslocações. Com efeito, dadas as dificuldades por que passam muitas pessoas, o custo de cinco euros pode ser considerado elevado de modo que, segundo um dos residentes que lá estava em trabalho, poucos vila-franquenses visitam o ilhéu.
Mas, para mim o maior espanto foi quando li que dos cinco euros, três euros e cinquenta cêntimos eram para o “Transporte”, um euro para a “Manutenção e preservação da reserva” e meio euro era para a SPEA-Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves.
Embora a SPEA, quer se concorde ou não com a sua atuação, seja uma associação nacional respeitável não percebo por que razão recebe uma parte dos proventos advindos das viagens ao ilhéu.
Se é certo que é a SPEA que mantém um projeto de recuperação do ilhéu, não será menos verdade que o projeto tem financiamento europeu e regional e portanto a sua quota-parte já devia estar incluída na rubrica “Manutenção e preservação da reserva”. Estranho ou talvez não !?
Outra surpresa foi ter observado, pela primeira vez no ilhéu, alguns exemplares de vidália, uma bonita espécie endémica dos Açores que não existia no local. Para além de antes nunca a ter observado, não há, que eu saiba, nenhum registo da sua presença nas principais publicações sobre o local, de que destaco o livro “Ecologia Costeira dos Açores”, editado em 1998, da autoria de Brian Morton, Joseph Britton e António M. Frias Martins, e “ O Anel da Princesa”, editado em 2004, de António M. Frias Martins.
Por hoje, é tudo.
Teófilo Braga
(Correio dos Açores, nº 30411, 13 de Agosto de 2014)

Ainda sobre as férias


Como estamos em Agosto, mês em que a maioria das pessoas gosta de gozar as suas férias, darei continuidade ao texto iniciado na semana passada que abordava visitas por mim efetuadas ao Parque Terra Nostra, à Caldeira Velha e ao ilhéu de Vila Franca do Campo.
O relato referente à visita ao ilhéu de Vila Franca do Campo mereceu um simpático esclarecimento por parte da SPEA- Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves que, entre outras questões, refere que as vidálias que foram lá plantadas tiveram como progenitoras duas plantas já existentes quando começou a intervenção em 2009.
A presença de vidálias no ilhéu, que nunca havia observado, foi confirmada por pessoa amiga que me enviou uma fotografia, de 2007, onde já se pode ver uma planta na época de floração. Esta constatação não deixa de suscitar a seguinte questão: estando, se não estou enganado, as mais próximas na costa do Faial da Terra, como chegaram as vidálias a Vila Franca do Campo?
Outro local por mim visitado, este mês, foi a Ferraria, local único para quem gosta de tomar o seu banho de mar.
Não me vou alongar em relatar as intervenções mal conseguidas feitas no local, pois muitas páginas de jornais têm sido ocupadas com o assunto, apenas queria lembrar que a classificação do local como área protegida surgiu na sequência de uma proposta apresentada pelos Amigos dos Açores- Associação Ecológica, em Outubro de 1988.
Aquando da apresentação da proposta, acreditava-se que “a preservação ambiental do Pico das Camarinhas e da Ponta da Ferraria em conjunto com a sua utilização racional para fins recreativos e turísticos, enquadrada pelo Farol da Ferraria e pelo Miradouro do Escalvado, poderá contribuir para a conservação da paisagem desta zona da ilha e para o desenvolvimento económico das freguesias limítrofes”.
Será que algum daqueles objetivos está a ser atingido?
Outro local que visito e onde levo sempre pessoas a visitar é a Gruta do Carvão, em Ponta Delgada, que conheço desde os primeiros anos da década de oitenta do século passado.

Hoje, parece que já ninguém duvida, a Gruta do Carvão é um caso de sucesso, quer em termos de polo turístico, quer como centro de divulgação de ciência e de educação ambiental.

Para chegar à situação atual foi percorrido um longo caminho, alguns voluntários muitas horas do seu merecido descanso despenderam, muitas barreiras e incompreensões tiveram de ser ultrapassadas, apesar de algumas promessas e projetos terem ficado por cumprir.

Não querendo perder muito tempo com as incompreensões, apenas relataria o que aconteceu quando a gruta foi afetada por obras realizadas na rua Pintor Domingos Rebelo.

Juntei algumas fotografias do seu interior de forma a mostrar as suas amplas dimensões e alguns pormenores, nomeadamente estalactites e bancadas laterais, e dirigi-me à Câmara Municipal de Ponta Delgada com o objetivo de sensibilizar o seu presidente para a necessidade de intervir o menos possível na gruta, pois a mesma apresentava um elevado potencial turístico e não só.

Não tive que esperar, não digo que fui mal recebido, mas a minha desilusão foi total. Ao ver as fotografias, o presidente apenas disse-me: “não sou coelho”. A seguir, mandou chamar o responsável pelas obras que, ao ver as fotografias, afirmou, referindo-se ao escoamento de águas das casas de banho da Escola do Carvão para a gruta, todo sorridente e pensando que tinha sido ele o responsável por uma grande ação: “Fui eu que mandei canalizar estes tubos para aí”.

Deles e de outros que nunca compreenderam a importância daquele monumento natural não guardo qualquer rancor, eram de outros tempos, tinham outros interesses, tiveram outra educação. Apenas, tenho pena de já não estarem entre nós para poderem ver, através de uma visita à gruta, como estavam enganados.
Teófilo Braga
(Correio dos Açores, 30416, 20 de Agosto de 2014, p.15)

Roteiro

segunda-feira, 11 de agosto de 2014

Notas Zoófilas

quarta-feira, 6 de agosto de 2014

Hiroshima



A PROPÓSITO DA BOMBA DE HIROSHIMA
“De todas as alterações que os homens introduziram na natureza a fissão nuclear em escala industrial é sem dúvida a mais perigosa e a mais profunda. Em consequência disso, as radiações ionizantes tornaram-se o mais sério agente de poluição do meio ambiente e a mais grave ameaça à sobrevivência do homem sobre a Terra.” Schumacher, Small is Beautiful
A 6 de Agosto de 1945, a Alemanha já estava derrotada, a Itália já se havia rendido e Hitler e Mussolini, já se encontravam no Inferno a pagar pelos seus pecados. Apenas restava o Japão que ainda resistia, mas já estava de joelhos.
Pelas 8 horas e 15 minutos do mencionado dia um avião dos Estados Unidos lançou uma “ogiva secreta de quase 20 quilos e potência equivalente a quase 20 mil toneladas de TNT”. O resultado, segundo Ireneu Gomes, foi a morte de 78 150 pessoas só no primeiro segundo após a detonação da bomba, 13 983 desaparecidos e 130 mil pessoas mortas, ao longo dos anos, vítimas da radiação.
Como se este horror fosse pouco, três dias depois outra bomba foi lançada sobre a cidade de Nagasaki, onde terão morrido cem mil pessoas.
Para alguns autores, a derrota do Japão estava assegurada pelo que o lançamento das duas bombas atómicas foi um crime contra a humanidade já que as principais vítimas foram populações indefesas e não passou de uma demonstração de força para todo o mundo e em especial para a União Soviética.
A rendição do Japão foi o fim da Segunda Guerra Mundial e o início da “guerra fria”. Começou uma corrida louca aos armamentos, desde os ditos convencionais, aos nucleares, passando pelos químicos, por parte das duas superpotências imperialistas, os Estados Unidos da América e a União Soviética.
Hoje, com a quantidade e a qualidade dos armamentos disponíveis, se algum dos conflitos regionais se transformar numa guerra mundial as consequências para a humanidade serão incalculáveis. Como muto bem escreveu Albert Einstein, que é considerado um dos pais da bomba atómica e que se terá arrependido de ter escrito uma carta, a 2 de Agosto de 1939, ao presidente dos Estados Unidos da América, Franklin Roosevelt, onde mencionava a possibilidade da criação de um novo tipo de bomba e sugeria os caminhos a serem seguidos: “Não sei que armas serão empregadas numa Terceira Guerra Mundial. Mas tenho a certeza de que, se houver uma Quarta Guerra Mundial, as armas serão paus e pedras”.
Nos Açores, os jornais referiram-se ao evento, nos dias a seguir, tendo relatado o ocorrido nas duas cidades japonesas e feito menção aos prodígios da energia nuclear.
No dia 9 de Agosto, o Correio dos Açores transcreveu uma notícia com origem em Lisboa e datada do dia anterior, intitulada: “A bomba atómica lançada sobre Hiroshima matou todos os seres vivos: homens e animais”. De acordo com a mesma notícia o “segredo do novo invento “foi levado por “uma senhora que conseguiu fugir da Alemanha para o campo aliado”.
Noutro texto, publicado no Correio dos Açores, no mesmo dia, refere-se a revolução que a descoberta da fissão nuclear trará para a humanidade. Assim, na altura, acreditava-se que a invenção poderia “fazer mover, indefinidamente, toda a espécie de veículos mecânicos, com uma quantidade diminuta de novos combustíveis, e será o fim do petróleo e de todos os seus derivados, será o fim das grandes fábricas que produzem energia” e resolveria “o problema das comunicações interplanetárias”.
No dia 16 de Agosto, o Correio dos Açores reproduz um texto publicado, em 1920, pela revista portuguesa de engenharia “Eletricidade e Mecânica”. Neste, o autor, para além de fazer uma descrição do átomo, hoje já ultrapassada, prevê a utilização da energia atómica como substituta do carvão e refere as suas possíveis utilizações.
A dado passo do texto, o autor refere que Sir Oliver Lodge, numa comunicação na Royal Society of Arts, em Londres, considerou que a energia atómica era tão “rica de aplicações” que se congratulava pelo facto do homem ainda não a saber utilizar. Segundo ele, a descoberta do modo como usar a energia atómica só devia ocorrer quando o homem tivesse “a inteligência e a moralidade necessárias para bem aplica-la, porque se esta descoberta for feita pelos maus, este planeta tornar-se-á inabitável”.
Infelizmente, a moralidade muitas vezes mete férias e a inteligência quando existe não é usada.
Teófilo Braga

(Correio dos Açores, nº 30405, 6 de Agosto de 2014)

quarta-feira, 30 de julho de 2014

As odiadas árvores



As odiadas árvores
“O que mata um jardim não é o abandono. O que mata um jardim é esse olhar de quem por ele passa indiferente.” –  Mário Quintana
1-      O horror à árvore
É de todos conhecida a importância das árvores para o equilíbrio do planeta, sendo também conhecida a importância da sua presença em meios urbanos, tanto em jardins como nos arruamentos. No segundo caso, sabe-se que as árvores contribuem para a amenização da temperatura do ar, promovem a descontaminação atmosférica e são propiciadoras de sombra.
Apesar do conhecimento das virtudes das plantas ser quase generalizado, uma parte significativa das pessoas comporta-se perante as mesmas como se nada soubesse, agindo pensando apenas nos seus interesses materialistas de curto prazo.
Assim, um pouco por todo o lado, assiste-se a chamadas podas radicais e a abates de árvores a pedido de moradores, por vezes preocupados com a simples queda de folhas. A título de exemplo, refiro o caso de um morador das Capelas que, há alguns anos, queria abater um plátano porque o seu vizinho da frente, havia tido a autorização para abater um para tornar possível a abertura de um portão para a sua moradia recém- construída ou o caso, recente, de um cidadão de Vila Franca do Campo que achava que se deviam abater um conjunto de metrosiíderos pelo simples facto das suas flores caírem sobre os automóveis estacionados.
Quando não está em risco a vida das pessoas ou o estrago de bens, não consigo perceber o que leva algumas criaturas a não terem qualquer respeito pelas árvores.
Querem sombra, querem ver as suas terras ou ruas bonitas, mas não suportam ter o trabalho de recolher as folhas ou a as flores quando caiem.
Hoje, em que para todos os problemas a técnica tem uma solução, pelo menos pensam alguns, recomenda-se que as autarquias substituam as árvores existentes por árvores plásticas, isto apenas enquanto a engenharia genética, ou outra, não inventar árvores que não cresçam e sem folhas.
2-      Em defesa da árvore
Alice Moderno, conhecida pela sua luta em defesa dos animais, também não foi indiferente às árvores de tal modo que, apesar das dificuldades momentâneas por que passou, nunca mandou “abater e reduzir a achas uma árvore que não tenha tido morte natural”.
Em 1940, a propósito de uma campanha movida contra os metrosíderos do “Largo 5 de Outubro”, Alice Moderno denunciou aqueles que pretendiam dar cabo dos mesmos, tendo afirmado que cabia a todos os que sabiam escrever “ser intérpretes perante as pessoas de quem depende a sorte das formosas árvores que constituem um dos patrimónios vegetais de Ponta Delgada”.
No mesmo texto, publicado no Correio dos Açores, Alice Moderno mencionou o caso do pianista Roger Godier e da mulher que ficaram comovidos ao assistirem ao corte de “lindas araucárias” no Largo Almirante Dunn.
Infelizmente, outrora como nos nossos dias, os residentes nem sempre dão valor ao que é seu.
Outra pessoa sensível ao (mau) tratamento das árvores foi o Eng. Silvicultor e Arquiteto Paisagista Ilídio Gonçalves. Natural de Vila Pouca de Aguiar, viveu na Horta e em Angra do Heroísmo, tendo sido professor convidado do Departamento de Ciências Agrárias da Universidade dos Açores.
A propósito das podas mal feitas, Ilídio Gonçalves escreveu em 1985: “Nós que purificamos o ar poluído das ruas; nós que vos damos a sombra refrescante no estio e o abrigo acolhedor no Inverno; nós que ajudamos a construir o vosso lar e aquecemos a vossa lareira; nós que vos deleitamos com cores garridas e variadas ou com aromas inebriantes …por que nos mutilais os ramos frondosos? Por que nos crivais de feridas que apodrecem o lenho valioso? Por que nos sangrais a seiva viçosa?”
Depois de dar exemplos de trabalhos mal executados, o Engº Ilídio Gonçalves termina o seu texto com o seguinte apelo: “Senhores responsáveis! Acreditem que estão errados; procurem o auxílio e o conselho de quem sabe e pode ajudar-vos a salvar as martirizadas árvores amigas que teimam em sobreviver!”.


Teófilo Braga

(Correio dos Açores, nº 30399, 30 de Julho de 2014, p.14)